domingo, 26 de dezembro de 2010

à laia de balanço antecipado

Dou-me conta de que nem um post natalício fiz, este ano, e que toda a gente que ainda aqui vem deve pensar 'ché, antipática da mulher, virou ateia e odeia o menino Jesus'. Pois que não é nada disso, mas como a desculpa de que o tempo é pouco faz impressão a muita gente (talvez porque as pessoas a quem faz confusão não passam 12 horas fora de casa, cinco dias por semana, quatro semanas por mês, onze meses por ano), nem me vou dar ao trabalho. Mas espero que todos tenham tido um bom Natal. O meu foi muito bom, graças às pessoas maravilhosas que tenho a sorte de ter à minha volta. Umas mais maravilhosos do que outras, claro, que a vida não é perfeita, mas no meio de 17 pessoas a coisa disfarça e toda a gente se diverte. E sim, recebi presentes giros, mas isso é de somenos. Um pequeno pormenor. E não, não estou armada hipócrita. Eu assumo que gosto da euforia da troca de presentes, dos papéis rasgados a voar por todo o lado, dos sorrisos (mesmo os amarelos quando se recebe um DVD em vez de mais um jogo de PS3. Temos pena, aquilo é caro e faz epilepsia (é uma desculpa tão boa quanto outra qualquer)), e que ficaria triste se não houvesse troca de presentes. Porque isso também faz parte da magia do Natal. Mas... há coisas mais importantes. E a cada ano que passa tenho mais consciência disso. Não sei quantas mais vezes seremos 17 à mesa. Até podemos ser mais. Mas se formos menos, que seja sempre só porque alguém teve um convite melhor. E é isto que é importante para mim no Natal. Estarmos. Fazermos coisas juntos. Mulheres e homens na cozinha, de volta do bacalhau e das batatas, e do polvo, porque há quem não goste de bacalhau e isso tem de ser acautelado, pois claro. Miúdos aos pulos na sala. Os turnos para embalar a benjamim da família, de quem nunca falei aqui, mas que fica para um post mais especial. Porque há uma altura certa para tudo, e há coisas que não se fazem à pressa.
Tenho para mim que a vida é feita de ciclos. Com a partida de Nádia pensei encerrar o blog. Não me estava a parecer que fizesse sentido continuar sem ela. A casa dos gatos está desfalcada para sempre. Por outro lado, o que é que se ganhava com isso? Absolutamente nada. Não pensei desistir de escrever, mas muita coisa mudou. Não só por causa de Nádia. Aliás, muito antes dela partir havia sinais evidentes de autocensura e desgaste criativo por aqui. A vida mudou. Eu mudei. E há já muito tempo que este blogue não tem acompanhado todas as mudanças porque há muita coisa que não me apetece escrever aqui nos moldes em que escrevo actualmente: à pressa, a despachar, conforme posso. Não gosto disso. Mas, neste momento, é o que se consegue. Não há promessas para 2011. Eu gostava muito de manter um ritmo, gostava muito de encontrar tempo para dedicar ao relato das pequenas idiotices que continuam a povoar os meus dias, ao por do sol que vi há bocado, às fotos que não tenho descarregado da máquina (que entretanto morreu, paz à sua alma, venha uma com um mega zoom para eu fotografar as minhas osgas quando elas voltarem a aparecer). Gostava muito, mas não é fácil. E gostava muito de continuar a minha dissertação, mas a cara metade adormeceu no sofá e é a minha oportunidade para mudar a porra do canal História e ver os episódios do House e Anatomia de Grey que tenho em atraso.
O comando é meu!
Êxtase!!!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Contando até 100, desde ontem...

I had a farm in Africa...
Assim começa um dos filmes da minha vida. ('Out of Africa', para os mais distraídos.Em atenção à quadra natalícia, desta vez passa). Já não vejo aquelas planícies africanas há muito tempo, pois, lamentavelmente, não tenho o filme em DVD. Aliás, o problema não é tanto não ter o filme, é mesmo não ter o leitor ligado ainda...Não sei se ALGUÉM quer porventura fazer algo quanto a isto ainda no decorrer deste século...

Mas, na falta de leitor de DVD, não me posso queixar de falta de cinema. Até tenho uma vida pródiga em filmes. Ontem vi um, negro, em estreia absoluta. Até me senti mal! Foi a comoção, certamente. E também tem uma frase inicial emblemática. Começa assim:
Eu tinha um sofá novo...

Os actores também são muito bons. Bem conhecidos do público em geral, e com uma longa carreira na sétima arte. Sétima? Qual quê! São tão bons que me atrevo a vaticinar-lhes um futuro brilhante na oitava arte. A do transformismo. E não tarda passam de gatos a tapetes de quarto! Ouço dizer que as tigresas estão na moda outra vez e tudo.

O meu lindo sofá (imitação) de pele chocolate que chegou no sábado passado e é, à boa moda de Ebenezer Scrooge, o meu presente do Natal Presente e dos 10 (ou mais, ouvi dizer) Natais Futuros. Furadinho...all furadinho.


Boris, Gil...Behold!!!
Se não vos portais bem... ficais como este!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Carta ao Pai Natal - versão 2010

Dear Santa Klaus,

Imagino que o teu deadline para recepção de cartas seja agora em meados de Agosto, dada a histeria colectiva que anda a despontar cada vez mais cedo. Peço desculpa se venho transtornar a tua rotina, mas eu também sou uma gaja ocupada e a mim também me lixam os planos muitas vezes, portanto agradeço que leias e não estrebuches muito. Não te preocupes que não venho pedinchar nada de especial. E só te estou a escrever porque sei que há PESSOAS que vão ler isto e a quem podes subornar (com uma caixa de bombocas) para fazer o trabalho por ti. Sim, que a visão do teu posterior a dar-me cabo da tijoleira da chaminé não me encanta por aí além. Deixa lá estar isso, e mantém também as tuas estúpidas renas longe do meu hibisco! O que eu quero mesmo é que me emprestes um elfo, nem que seja o mais ranhosinho que ande para aí ( desde que não beba, que o meu stock já anda baixo e não preciso de mais ajuda, thank you very much). Preciso que ele faça rondas regulares pelas PESSOAS que podem ler isto, e que a cada hora lhes salte detrás de um lugar insuspeito, e lhes grite uma das seguintes opções:

  • CARTEIRA PRETA
  • VESTIDO DE MALHA (qualquer cor que não amarelo e caqui US marines, por favor. Tamanho M (espero que ainda!))
  • VIAGEM A MALTA
  • VIAGEM A ROMA
  • PEÇA DE JOALHARIA (Não fantasia. J-O-A-L-H-A-R-I-A ) QUE NÃO FIOS OU BRINCOS OU PREGADEIRAS. OUTRAS PEÇAS!
  • MALINHA DE ÓLEOS VAN GOGH ou REMBRAND
  • PACOTE DE AULAS PARA NERO AUGUSTO: 'COMO PERCEBER QUE O RABO DA DONA NÃO É PARA EU MORDER'

Repara que faço isto desinteressadamente. Sou uma gaja generosa e faz-me muita impressão dar trabalho às PESSOAS. Coitadas, têm já tanto com que se preocupar e trabalham muito e essas coisas. Essas queridas PESSOAS que, seguramente, na sua (deles) IMENSA generosidade e ENORME apreço que têm por mim, tudo farão para corresponder aos meus mais profundos desejos emocionais.

Pronto, Santa Klaus, deixo-te na paz do senhor e fico à espera do elfozito. Ele que traga pastilhas para a garganta, para que lhe não falte a voz. É que pode haver PESSOAS a pensar que mobiliário serve de prenda de Natal, e terem de ser relembradas insistentemente que não é assim...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Epílogo

Queria agradecer a todos quantos aqui deixaram palavras de solidariedade, e a todos os que enviaram sms e ligaram (quase tão chocados quanto eu fiquei). Fiquei sensibilizada com o carinho e o apoio, mesmo de pessoas que, à partida, não têm a afinidade que nós, que temos o privilégio de ter gatos, cães ou periquitos, temos para com os nossos animais. Mais do que afinidade, atrevo-me a dizer, e quem tiver animais sabe do que falo: é um amor profundo e desesperante. É incondicional. Gostamos deles sem reservas, mesmo que sejam do mais ranhoso para nós. Fazemos o que podemos, gastamos rios de dinheiro para que estejam bem, gastamos rios de dinheiro para que deixem de estar mal. Foi assim com Yurie. Foi assim com Nádia. É assim que as coisas funcionam, e há que aceitá-las com a graciosidade possível. Custa, mas não podemos fazer nada. É deixar o tempo agir.



Nádia foi enterrada numa caixinha cor de rosa - ela tinha paixão por caixas, adorava enrolar-se em bola dentro de caixas, sacos de papelão...até dentro de uma fruteira a apanhei, tontinha que era -, com uma mantinha polar e muito carinho. Resolvi trazê-la de volta para casa, porque não ia suportar a ideia de uma incineração com mais não sei quantos animais, além de que assim a tenho perto de mim, lá num cantinho do jardim. Quando esta maldita chuva passar havemos de plantar por cima dela uma roseira vermelha, comprada há dias com essa intenção. Quero que cada rosa me lembre Nádia. Quero que cresça vida onde outra vida acabou. Sou lírica e lamechas? Deixá-lo. Raios me partam se eu me deixo arrastar pelo global sentimento de indiferença que assola este mundo cada vez mais oco. Eu acredito na Beleza, e no ciclo da vida, e sei que vou ter rosas lindas. Porque Nádia era linda. E porque a vida continua.



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

In memoriam



Nádia
1999-2010


Ontem à noite. Depois da veterinária estar o dia todo a tentar controlar-lhe a hipotermia e a queda a pique da glicémia. Qualquer coisa que falhou no hipotálamo, na hipófise ou no pâncreas. Não sabemos. Não interessa.

Já não volta a ronronar-me ao colo, ou a roçar-se pelas pernas. Já não volta a bater com a cauda no chão quando se irritava, ou a raspar no chão quando a comida não lhe agradava. Já não volta a aparecer a correr quando a chamava, como se fosse um cão. Já não volta. Nunca mais...

Estou a modos que dormente. Volto noutra altura.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

EUREKA!


É com grato prazer que anuncio que hoje, após quase trinta anos de interrogação, acabo de descobrir a génese do nome do creme ‘TOKALON. Não sei se mais alguém alguma vez se sentiu intrigado com a nomenclatura, ou se a achava só ridícula. Eu sempre achei estranhíssimo um creme de beleza ter um nome que remetia mais para um calicida do que outra coisa. Por comparação, ‘Nívea’já me fazia algum sentido, que a palavra sempre consta de um dicionário...

Hoje descubro que parece que to Kalon também consta do dicionário. Reparai:

Definition of: to kalon
to kalon (Greek): The beautiful.

É grego. Já se vê porque nunca entendi a subtileza da coisa.

But seriously...Gosto de ver que o dinheiro que ando a pagar em propinas serve para resolver estes insondáveis mistérios da minha infância. Quem diria que a estudar Estética e Teoria da Arte me ia proporcionar este intenso choque cultural.

Anseio pelas próximas matérias, quem sabe não encontro o significado por trás do nome de outros míticos produtos, como o champoo Foz e o restaurador Olex, e claro, o Caprisonne.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

De como a minha vida seria muito mais simples se eu fosse estupidazinha

É minha convicção que devo ter sido grande cabra numa vida anterior. Digo-o com toda a serenidade, até porque ser uma grande cabra é uma valência preciosa nos tempos que correm. Let’s face it: quem não tiver instinto caprino, não se safa. Quem for mais ‘ovelhinha’ acaba mais depressa na panela. Tenho para mim que devemos evitar a panela o mais possível. Não podendo, e se for para nos comerem, que tenham trabalho, que comam cru e mastiguem. Muito. E se puderem engasgar-se no final, tanto melhor.

Seguramente umas duas ou três pessoas poderão dizer que sou uma grande cabra na vida actual, mas gosto de pensar que é a inveja que as move nessas suas delirantes e totalmente infundadas cogitações. Não sou mais cabra do que o próximo, não gosto é que façam de mim parvinha. De mim, ou de outrém, e que esteja a ver. Eu, quando embirro com alguma coisa, é verdade que não largo até me fartar. Andava aqui com uma embirração de estimação, mas a coisa era só na base do pessoal e vá, mesmo na base da mariquice. Agora, quando a coisa passa para o plano profissional e eu assisto a coisas que despertam o Robin Hood em mim, saiam de baixo. Que é muito feio andar a fazer queixinhas de quem não está presente para se defender. Tal como é feio tentar capitalizar simpatias com lagrimazinhas de crocodilo. Há pessoas que têm memória curta, e não percebem que as coisas que semeamos, mais cedo ou mais tarde havemos de colhemo-las, mesmo que soltemos ratinhos na seara do vizinho para estragar a espiga. Há que aceitar críticas com naturalidade, e pensar que, se no-las fazem, é porque se calhar as merecemos... não sei, digo eu.

Por isso, jovem criatura calculista, sim tu, com o enormous umbigo, voz estridente, e saco lacrimal sensível, é melhor andares fina, que eu já te topei há muito tempo. E, ou fazes as coisas bem feitas, de modo que eu não veja, ou, se continuas com a merda das bocas sobre outras pessoas que não estão presentes, ainda me chateio e ainda te mostro a razão para a minha pedra tumular rezar um dia ‘à mãe de todas as cabras: os colegas difamados sentirão a tua falta’.
(hum...relendo o meu texto, parece que também estou a fazer queixinhas de alguém que não está presente. Bolas! Isto estraga a minha argumentação toda.... Mas não faz, mal, admitamos que eu posso fazê-lo porque o meu motivo é puro. Não pega, pois não? Então admitamos que eu o posso fazer porque o blogue é meu. That should solve it!)

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Carta Aberta ao nosso Primeiro

Sexy Platina,
Perdoa-me o desabafo, mas estou lixada contigo. Peço desculpa pela falta de originalidade, que decerto te dizem isto amiúde, mas há que dizer as coisas como elas são.
A questão é que acho mal teres convidado a maralha toda da NATO para vir cá ver as vistas (e aumentar as receitas do Elefante Branco, que nem devem ser taxadas, com toda a certeza). Mas isso é de somenos. O que me lixa de verdade é que só os funcionários públicos que trabalham em Lisboa é que têm tolerância na sexta feira. Ora eu acho que Carnaxide é muito perto de Lisboa, e mesmo não sendo funcionária pública, acho que isto é tudo muito injusto. Acho mal, até porque eu ando a dormir cinco horas por noite e tenho uma dissertação sobre Platão para entregar e tenho de vir trabalhar, e vá, ando cansada. Por isso dava-me jeito que o concelho de Oeiras também fosse considerado de risco para poder ficar em casa a estudar. Não sei se é oportuno inventares qualquer coisa assim à pressão, também me dizem que tens jeito para isso, mas tens o meu voto (e de Sasha Margarida. Nero Augusto não, mas só porque ainda não atingiu a maioridade), nas próximas eleições se me fizeres esse grande favor. Ouço dizer que até andas precisado...
Obrigados!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Mimos no degredo

Olho pela janela, aqui do Alcatraz Carnaxidense, e que vejo?



Ó júbilo! Ó profundo extâse!



Um senhor com um assador de castanhas.

Importaram um senhor lá da Capital!!! Veio lá de longe, da civilização, para alegrar a malta e ajudar a não esquecer que é dia de S. Martinho. Provavelmente vende uma dúzia de castanhas a 5€ e metade delas estão bichadas, mas bom, não se paga por ver o senhor no parque de estacionamento. A coisa vale pelo efeito decorativo e a vaga sensação de voltar a pertencer ao mundo real, lá onde acontecem coisas, e onde há a Mango, a Bertrand, a L'Occitane (só para ver e experimentar os testers, que aquilo é caríssimo! Tá crise, não tarda volto ao creme nívea com uma grande pinta) ... AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH, suspiro de profundo desespero consumista. Há meses que só gasto dinheiro no passe da Vimeca! (E na veterinária, claro. Ela é que deve ter montanhas de produtos da L'Occitane à minha conta :))
Epá!!! Ouço dizer que também tem água pé na cestinha que está lá no chão. Não fosse eu meia pitosga e podia confirmar a informação daqui. Assim sendo, acho que vou lá investigar...sempre é menos um bocadinho que estou a embrutecer em frente ao pc.

domingo, 7 de novembro de 2010

Convalescença


A princesa já voltou para casa. Vem com um funil horroroso, e com meio kg de quistos a menos. A veterinária tirou fotos para eu ver a enormidade da coisa. Enormidade mesmo: o mais pequeno tinha 6 cm. Só umas dez vezes maior do que o ovário a que estava agarrado.
Para grandes males, grandes remédios: histerectomia total. Foi-se tudo. E, coincidência ou não, Nádia já voltou a usar o caixotinho.
Tem um quarto só para ela, que precisa de muito sossego para recuperar depressa.
O rom-rom betoneira e o apetite devorador levam-me a crer que em poucas semanas a teremos em forma. Para depois lhe tratarmos da dermatite...que entretanto 'apareceu' quando lhe raparam a barriga... Mais banhos em perspectivas. Só boas notícias, portanto.
Mas é bom tê-la de volta, sã e salva. A ver agora o que dizem as análises do laboratório. Fingers crossed!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Hoje não há boletim desportivo...

...porque tenho Nádia na mesa de operações, neste preciso momento. Aguardo serenamente o veredicto sobre o tumor, a que órgão está agarrado e se é maligno ou não. Isto tudo enquanto vou preparando os 400 euros que a coisa me irá custar, e enquanto vou dizendo 'so long, até uma próxima' aos sofás novos.
Perdoarão a minha falta de entusiasmo global com a bola, nesta altura...
Darei notícias, assim que as tenha.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Assim de repente...


...eu também me ria muito se viesse para casa com cinco milhões de indemnização.


Por acaso até gostava de saber quanto vai pagar de IRS o tio Jesualdo Ferreira

Só por curiosidade.

Se calhar atentavamos nestes pequenos pormenores de qualidade antes de me pedir a mim que pague mais para sustentar a canalha toda.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

WTF???

Leio, pasmadinha de todo, uma notícia no Le Figaro que dá conta de uma tentativa de atentado terrorista em que os soldados de Maomé eram...dois cães.
A coisa, que se passou no Iraque, e foi mantida em segredo pelo exército norte americano, reza assim: os pobres animais, recheados de explosivos, deviam explodir em pleno voo. Só que morreram de hemorragias (por não terem sido em condições) e não chegaram a ser embarcados, gorando assim os objectivos dos terroristas.
Nem quero pensar na barbárie que antecedeu essa misericordiosa morte. Não quero mesmo. E contudo, não me sai a imagem dos dois cachorros a serem torturados desta maneira.

Não me vou alongar sobre o que penso de talibans e demais putrefacção humana deste planeta. Que se expludam todos, de preferência longe de quem não é maluquinho da cabeça. Vão lá ter com as virgens, que estão todas de perna traçada no Céu dos parvinhos, à espera de tão iluminados seres.
Não cair uma ogiva nuclear em cima desses #%"##"£@@£@ todos...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Eu ainda esgano a gata!

Começo a cansar-me de ter de resgatar os meus gatos das situações parvas em que se colocam...

Ontem foi Nádia, que seguramente se cansou das vistas do seu imenso terraço e decidiu ir explorar o terraço do vizinho. Correu-lhe mal...deve ter escorregado nas telhas e despencou para o quintal. Não o nosso, onde seria fácil ir buscá-la, mas o do vizinho que, claro, não estava em casa.

Claro que só cheguei a esta conclusão depois de me descabelar à procura dela, mas o facto era incontornável: Nádia estava, como Chuck Norris (esse portanto da sétima arte), Missing in Action. A hipótese de uma ave de rapina a ter agarrado ocorreu-me, porque aquilo enroladinho passa bem por um coelho sem orelhas, mas pus a ideia de parte porque seria dar pouco crédito às aves de rapina. Era assim por demais evidente que a vadia tinha despencado lá para baixo. Como não vi o seu cadáver mutilidado perto de Nero Augusto, nem empalado no pinheiro, fiquei mais descansada.

Suspirei, peguei na lanterna (sim, que eu trabalho em Carnaxide, remember, chego a casa já de noite!) e lá me resignei a ir de novo fazer figura de parva rua fora com o meu pscchhh psccch, pschhhh anda cá bichinha' (anda cá anda, que já vês como elas te mordem, grande cabra...) pscchhh pscchh...

Tive sorte. Assim que apontei a lanterna ao portão do vizinho, vi Nádia sair ufana da casotinha do gato (o persa do vizinho, esse vaidosito que também tem um focinho onde só apetece dar bolachada). Parecia estar inteira. Menos mal, que sempre é menos uma despesa. A questão era mesmo tirá-la dali. Podia telefonar ao vizinho...mas não gosto especialmente dele. Além disso, já lhe pedi para ir resgatar o recém despencado Gato Gil aqui há tempos, e não me apetecia levar com o olhar 27, também conhecido pelo 'coitadinha, perdeste um gato outra vez, foi?'.

Tinha lido em tempos que os gatos, quando encurralados, só precisam de ter algo a que se agarrar para conseguirem escalar para a liberdade. Ora isto pode ser válido para muitos gatos. Para Nádia não. Por isso, quando fui a correr buscar uma colcha e lha passei por cima da grade, na esperança de que ela se agarrasse e começasse a subir (isto tudo com a cara metade a olhar dubitativamente para o meu plano, embora estoicamente a manifestar o seu apoio, tentando ignorar o ar absolutamente ridículo de uma gaja a abanar uma colcha amarela pendurada num portão e a fazer pchhhh pchhhh como se o mundo acabasse daí a cinco minutos), Nádia limitou-se a olhar bovinamente para mim. Nádia, além de higienicamente desafiada (porca, vá) não deve muito à inteligência. Ou então é só cabra para mim.


Donde... tive de partir para o plano B. E o plano B foi isto:

Material
:banco de cozinha+corda atada à pega da transportadora dos gatos

Modus Operandis
: Eu, de salto alto, em cima de um banco de cozinha encostado ao portão do vizinho - note-se bem, que uma pessoa por estar empoleirada em cima de um banco a invadir o espaço aéreo do vizinho, sem sua autorização, pode perfeitamente estar compostinha -, atiro a transportadora por cima do portão de modo a que aterre perto da imbecil. Depois, espero ali em suspensão durante uns dez minutos que a imbecil se decida entrar. E quando finalmente, graças ao Altíssimo, a coisa peluda se decide instalar lá dentro, começo a içar. Alguns puf puf depois e missão cumprida!


MacGyver, já eras!

Nádia, adivinha lá?... ESTÁS DE CASTIGO!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Desta é que é!

Tinha decidido há muito ser mais regular na exposição das minhas singularidades de rapariga solteira, mas os astros conspiraram contra mim para obstar a este meu intento. Primeiro, alteraram-me mais ou menos o estado civil assim de repente, de modo que este epíteto já não se aplica e o tempo que sobra em casa é pouco. Depois enviaram-me para onde-Judas-perdeu-as botas-de-Cima (vulgo Carnaxide. E se alguém me diz que já foi muito feliz em Carnaxide decerto não esteve ontem meia hora à espera do estúpido autocarro para sair daqui), coisa de que estou apenas agora a começar a recuperar, mas que me consome muito tempo e me tem minado o neurónio, a paciência e a inspiração.
Porém...Não lograrão quebrar-me!

É um facto que esta mudança de escritório tem sido péssima para a minha vida social (e para o meu guarda roupa) que nunca mais fui à baixa. Nem à baixa, nem a lado nenhum, estou aqui presa na minha torre (vá, são só dois pisos, não interessa), qual Rapunzel executiva, e sem trança para mandar a um potencial salvador, que também me deu para cortar o cabelo na semana passada.

Mas não lograrão quebrar-me! Estou presa, mas não estou morta!


Virei ao blogue o quanto me apetecer. E decreto que me apetecerá todos os dias postar uma idiotice qualquer. A malta faz o que tem de fazer para não morrer estúpida. Se calha no tempo do patrão...pois que temos pena. Fica pelo tempo que passo parada na A5. Quid pro quo, amigo accionista! Lamentamos profunda e sentidamente (expressão que não é minha e cuja utilização me será mandada à cara se não fizer a devida ressalva de usurpação descarada)
E agora, num tom completamente diferente, apetece-me só dizer mais uma coisinha:
SPORTINGGGGGGGGGGGGGGGGGGG!!!!
só para os mais desatentos à extraordinária campanha europeia do meu grandioso:
SCP 5 . GENT 1
E para finalizar, num comentário absolutamente ranhoso, reconheço, quero aqui manifestar solidariedade aos apoiantes da vítima de outro Leão europeu, esta semana. Um Leão ali das terras de Astérix...
pronto, vou-me calar, já chega...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Subir na vida...



- Olá Amiga Nádia. Não te tenho visto por aqui...



- Olá Boris! Pois, sabes como é...shit happens!
Literalmente...




- Mas mudasti????




- Mudei sim.
Agora vivo sozinha, com vista para o castelo...



- Eh, 'ca' espectáculo! E o que é que um gajo tem de fazer para ficar com uma vista dessas???



É só deixares de usar o teu caixote, ó palhacinho, e também vais recambiado para o terraço!

Sobre a motivação...



É substituir os lindos cortinados de renda por uns estores de alumínio, pôr um aquário sem peixes na janela e uma alcatifa industrial no chão, e eis-me em todo o meu esplendor pictórico no meu local de trabalho.

Defunta.

De tédio, já se vê. Ou inanição intelectual.

Take your pick!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

de como se perde facilmente uma boa oportunidade para ficar calada

Cinco minutos depois de publicar a minha última entrada, recebo um email da Amazon.fr que me diz que os livros chegam amanhã...

Daqui se concluem duas coisas:
Que na Amazon.fr não há grevistas;
Que eu devia fazer mais como eles e trabalhar em vez de vir postar idiotices!

Lei de Murphy revisited

Teria sido inteligente de minha parte não ter mandado vir uma catrefada de livros da Amazon.fr no meio de uma greve geral. Especialmente pagando portes de entrega expresso.


E ouvi dizer que agora a Amazon.uk vai deixar de cobrar portes para alguns países europeus (entre os quais o nosso, olha que sorte!), o que me teria poupado vinte euros.


Muito bom o meu timing, como sempre...

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Da dificuldade que é uma pessoa cultivar-se neste país!

Quebro aqui o solene princípio de não andar na blogosfera durante o expediente mas estou aborrecida como um coelho morto há três meses! Cheiro melhor do que um coelho morto há três meses, contudo. Graças ao Senhor...ao meu gel duche e ao perfuminho da Diesel (da candonga, claro, que tenho três gatos e dois cães para sustentar e os tempos não estão para luxos).

Quem me viu e quem me vê! Toda eu era princípios e integridade. Fazer downloads ilegais de música? nunca! Comprar artigos de contrafacção? Jamais! hã hã... Agora é ver-me, com o perfuminho da Yodeima a 19€ (cortesia de uma colega que tem uma amiga que tem uma prima...), e a pesquisar livros técnicos no Google books porque não me apetece gastar 30€ num original, especialmente depois de descobrir que a Universidade que mo recomenda tem na sua loja online uma sebenta do mesmo autor, e curiosamente com o mesmo título, por 5€. Obviamente que o docente, por quem já nutro saudável antipatia, não se lembrou de referir este facto. Deve ter-lhe passado... E ainda vem com a história dos direitos de autor para não fornecer os capítulos que interessam e obrigar a malta a comprar um calhamaço inútil. Pois que os pode enrolar, aos direitos de autor, e bom...coçar lá onde o sol não brilha!
Se cada livro custa mais de €20, e só de obrigatórios são 4, mais uns 20 aconselhados (a gente muito desocupada e sem nada para fazer, seguramente), e isto só para uma disciplina, se calhar punham como condição de acesso ter sólida fortuna pessoal antes de aceitar matrículas.
Numa outra nota pessoal que agora se me assomou ao espírito, fortuna pessoal ou não, acho perfeitamente escandaloso que um livro académico obrigatório sobre estudos literários custe 30€. Só espero que ao menos que tenha bonecos!
Também acho perfeitamente escandaloso que me peçam para ler as 'Metamorfoses' de Ovídio quando o livro custa nada menos do que 35€. Vão dar direitos de autor a Ovídio também? Muito jeito lhe farão lá no Parténon de Cima!!! Não podem fazer uma edição com menos mitos? Só aqueles que interessam, mesmo? Mas alguém consegue ler 440 páginas de grego traduzido em 15 dias? Seriously...vá lá. Não podem dar logo os links para a piratice, sem uma pessoa estar a perder três horas a explorar links obscuros para ter um miserável sucedâneo em castelhano ou (blarghhhhh) português do brásiu?
Amigos da Universidade Aberta, sigam lá o meu raciocinio: se eu tivesse tempo livre para perder com picuinhices destas ia às aulas e não estava a fazer o curso por e-learning, não será?...DAHHHHHHHHH!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Piqueno bálsamo em tempo de austeridade


Sporting - 5: não sei quê Sofia -0
(Não quero saber se eram fraquinhos. Isso agora não interessa nada)

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Por favor, aprovem o orçamento que quero voltar a ter notícias de jeito

Não, de todo. É evidente que não estou satisfeita com as novas medidas de austeridade. Porquê? É simples: porque estão a ir buscar ao sítio errado, como sempre. Não será com certeza ao bolso do funcionario público que se deve ir à procura da panaceia para todos os males. E continuo a achar que só não vê quem não quer ver onde estão as entropias deste país. E não estarão todas na máquina estatal de Sócrates, mas de certezinha absoluta. Mas é fácil culpar o Sócrates, ele e só ele, por todos os males do mundo (alguém acredita que seria diferente se fosse o Jerónimo ou o Coelho ou o Portas a governar, alguém acredita mesmo que faz a mais pequena diferença? Vá lá, a sério... O que se passa é muito maior do que uma cor, do que uma ideologia, do que um governo. Um que seja, que pudesse ter evitado a situação caótica em que se encontra esta Europa toda, vá lá que estou muito curiosa em saber que super ser seria esse que conseguiria levar um país preguiçoso, é isso mesmo, preguiçoso e muito pouco previdente, a fazer lembrar a cigarra de LaFontaine, a passar incólume por uma crise que abala as estruturas de super países como a França e a Alemanha. Não estou aqui a fazer apanágio da política do PS, não sou filiada, nem tão pouco me pagam para defender ninguém, não concordo com tudo o que vendem e não gosto particularmente de vários personagens da rosa, mas não me lixem! Não me lixem, que eu também não vou ser poupada nos impostos, aliás até acabei de pagar um escândalo de IMI e, sim, estou globalmente mal disposta à conta disso. Mas não me façam fazer zapping em cinco canais diferentes para ter mais do mesmo todos os dias. Sim, porque eu, contrariamente a uma certa corja de oportunistas, dou o litro todos os dias. Não ando aqui a coçar-me, mesmo que ache que ando a trabalhar para o boneco. Não. Eu trabalho efectivamente. Não ando a receber sem fazer nenhum, contrariamente a uns e outros que aparecem aqui quando o rei faz anos, ocupados que estão a botar faladura política cheios de moralidade nesses canais de TV que eu tenho de pagar. Por isso, o mínimo que peço é chegar a casa e não ter de ouvir gente tótó a debitar alarvidades quando fazem parte do mesmo sistema que criticam. Gente que já lá esteve, e também não se saiu lá grande coisa mas que tem memória curta; gente que andou a brincar aos soldadinhos de chumbo e agora tomem lá um tridente por 500 milhões de euros, nós que temos tantas missões bélicas, está bem de ver, e que miamos tanto contra o TGV, em que por acaso até o comum cidadão pode sentar o rabo e dar algum uso para ir concluir um negócio a Espanha e aumentar o Pibezito, contrariamente ao estúpido submarino, que só vai ficar a mofar numa doca (e até aposto que o contrato de manutenção vai aumentar o Pib, sim, mas dos alemães, está-se mesmo a ver). Perco-me na minha indignação, raios partam... dizia eu que...what the hell, já não sei, mas não faz mal. Eu, que tenho justificação para me queixar, porque garantidamente não sou eu que tenho culpa do que se passa já que cumpro a minha parte com honestidade, não ando a viver de subsídios de que não preciso, felizmente, nem me endivido como se não houvesse amanhã, para depois andar a chorar que não consigo pagar o cartão de crédito, nem vou entupir os tribunais com questõeszinhas da conta da Tmn que não foi paga, enquanto os crimes fiscais da alta finança vão prescrevendo. Eu, que tenho justificação para me queixar porque as vacinas dos meus gatos vão aumentar, porque vou ter de fazer mais contas ao tempo que estou debaixo do chuveiro, porque se calhar vou passar a comprar ainda mais marcas brancas do que já compro, não vou aos saltinhos para o Marquês de Pombal protestar sem saber porquê, porque o que é bom é ganhar muito sem fazer nenhum, que trabalhar é bom para os otários. E também não vou toda pipi para a televisão cascar veementemente, mas sem mostrar que sei fazer melhor. Eu continuo a achar que não se lava a roupa suja quando o mundo todo está a ver. Por isso, não era pior a malta não perder de vista a prioridade deste país, que é a de reerguer-se (se ainda for a tempo), e preocuparem-se com os egozinhos depois. E daqui a uns tempos há eleições de novo e arranja-se um digno sucessor no papel de mau da fita e podem deixar o Sócrates em paz. Mas agora, pelo menos reconheçam-lhe a coragem de engolir um gigantesco sapo nas medidas que apresentou. Aposto que ele também não gostou de dar o dito pelo não dito, e olhem, afinal temos pena, mas temos de aumentar impostos. É evidente que isso lhe vai custar as próximas eleições ( justa ou injustamente, fica ao critério de cada um). Agora, porra, não há outra maneira de resolver, pelo menos para já. As simple as that! Todos os outros estão a fazer o mesmo, é só ler a imprensa estrangeira. Aceite-se, e siga-se em frente, caramba! Aprenda-se e faça-se melhor daqui para a frente.
Prontos, 'tou, 'tou irritada. 'Tou farta desta história. Gaita!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Mais sarna para me coçar

O que chamariam a uma pessoa que:

  • passa 12h fora de casa, cinco dias por semana;
  • tem dois cães paquidérmicos, carentes de atenção, e três gatos arruaceiros, que quando não andam fugidos só fazem asneiras e porcarias;
  • tem pretensões a produtora hortícola e não pára de semear coisas que, vá-se lá saber porquê, até insistem em medrar e a pedir cuidados constantes;
  • recomeçou recentemente um quadro em ponto cruz, e tem quatro telas por acabar (três das quais ainda nem estão começadas)

e decidiu voltar a estudar, como se tivesse mesmo tempo para isso?

Eu sei o que chamaria, mas vocês se fossem fofinhos diriam só que sou uma optimista e evitariam superlativos tipo 'tontinha de todo'. A gerência agradece.

É chato...

...Quando nos 'roubam' o assunto de que queríamos falar e vemo-nos compelidos a reescrever o post à pressão para não sermos acusados de plágio doméstico...

Chato, mas não incontornável, que também qual é a piada de fazer um post para dizer que adormeci no cinema, qual octogenária narcoléptica? Na sessão das 21h30. Sim, qual é a piada? Se fosse na sessão da meia noite ainda conseguia enfiar aqui um fait divers qualquer a justificar a coisa mas, às nove e meia da noite, não estou a ver o que possa ter sido. Até porque estava tudo bem até acabarem as pipocas...A não ser que fosse do filme, claro, mas não me parece, então um tema tão excitante como o subprime americano e mais os activos tóxicos e os dinheiros e mais não sei quê, e as mariquices à volta disso, porque o outro estava na cadeia e depois saiu, e outro devia estar lá em vez dele (como deviam estar tantos que eu por acaso até conheço), e vá de falar em escroquerias e jogadas duvidosas (ah, nos filmes também há disso? pensei que era só na vida real) e mai não sei quê. Ora, a malta começa a fazer paralelos com o que vai vendo todos os dias (eu até diria no emprego, mas se calhar não convém muito, que agora é moda despedir as pessoas pelo que elas escrevem em páginas pessoais), e o subconsciente começa a achar que 'já viu o filme muitas vezes', e vai daí, desconecta. Mais vale dormir. É legítimo, é até fofinho da parte do subconsciente zelar pela minha sanidade mental em tempo de lazer, mas podia era ter pensado nisso antes de me fazer comprar o bilhete! É que, incompreensivelmente, não me devolveram o dinheiro. Isso é que eu achei mal!

domingo, 19 de setembro de 2010

Quem precisa de excitação na sua vida quando temos...a jardinagem?!

Resultado das três horas que passei ontem no jardim:


Corpo

Pernas: 2 rasgões horizontais e mais dois verticais (cabra da buganvília). Nota mental: da próxima, vestir calças em vez de microcalções.

Pés: três unhas sem verniz. Apesar de haver cá em casa umas socas (parece que lhes chamam croques, ou lá o que é. Para mim são socas, e não quero saber se foi moda, aquilo é medonho e pézinho meu não entra ali), não combinavam com a indumentária, e para não parecer uma saloia holandesa, fui de havaiana mesmo. E que bela ideia que isso foi!

Braços: não os sinto, por isso não tenho nada a dizer

Costas: era bom não as sentir também, mas parece que as terminações nervosas estão a funcionar em pleno. Doí-me da nuca até ao ossinho lá do fundo...


Gatos


Perdi o Boris...de novo. Mas voltou. Depois de me fazer perder vinte minutos atrás dele, com as duas vizinhas em pijama a gritarem-me indicações para o conseguir tirar do quintal delas.


Plantas


Relva: está melhor do que relvado de Alvalade há dois anos, mas ainda bem que não ganho a vida como aparadora!

Tomate: tínhamos cinco pés. Agora só temos quatro... fiu fiu fiu...disfarçando...que culpa tenho eu que aquilo seja frágil???

Limoeiro: estava uma pernada a impedir-me a passagem. Agora já não está...

Rucola: estava bonita...nota mental: verificar a potência da mangueira antes de a apontar aos rebentos.

E enquanto escrevo este post anda-me uma alma de regador na mão a mandar vir porque eu não reguei cá dentro...Well, excuse me for living!


E como já não há condições, até porque tenho de ir almoçar, deixo uma dica: e quiserem jardinagem fácil, que não vos deixe como se um cilindro compressor vos tiver passado por cima várias vezes, comprem...amoreiras. Só precisam de água. Mais nadinha. Ah, e se puderem evitar ter um cão por perto há maior probabilidade de conseguirem comer as bagas... Nero Augusto lambeu-se bastante, donde concluo que estas, da foto, eram boas!

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

De como o mundo estaria melhor se as rédeas do poder estivessem na posse de uma mulher – parte I

Ando a pensar muito nisto desde que adquiri o hábito de ler a imprensa online, coisa que não fazia antes, por falta de tempo no emprego, jovem quadro dinâmico e motivado que era antes de 2005 (era também conhecida por 'quando-valia-a-pena-preocuparmo-nos-com-o-que-nos-pediam-para-fazer-porque-até-fazia-sentido-e-não-nos-envergonhava) e que agora faço para me manter mentalmente estimulada no mesmo emprego (era agora conhecida por you-really-don't-have-a-clue,-do-you?). Já que tenho de sacrificar o meu enriquecimento pessoal durante oito horas diárias, ao menos que saiba o que se vai passando fora da Twillight Zone. Leio a imprensa também porque ainda não arranjei forma de fazer palavras cruzadas sem dar muito nas vistas, agora que os sites que consultamos na térnet podem estar a ser monitorizados... É o fascismo cibernético a instalar-se: já não há feicibu nem Youtubi para ninguém. Quanto ao primeiro: Whatever! Olha que dano enorme que me causa... não tenho coelhinhos para alimentar a horas certas, nem fico o dia inteiro a publicar frases da nicola ou a jogar poker, e até prefiro ligar-me em casa thank- you- very- much, mas chateia-me horrores ter de ficar limitada à RFM, e ouvir 135 vezes por dia o ‘Alejandro’ da atrasada mental da Lady Gaga. A alternativa é não ouvir coisa alguma, mas o ronronar do ar condicionado faz-me mais sono ainda. É pois, uma manobra inteligente, castrar culturalmente as tropas e impedi-las de gerir os seus tempos de trabalho ao som daquilo que as faz produzir mais. Boa gestão, portanto. So what else is new.
(acabo de saber entretanto que afinal também vamos deixar de ter RFM. Em suma, não há melómanos no patronato, é o que se me ocorre dizer. Isso explica muita coisa, que para mim não gostar de música é o mesmo que não gostar de animais: sinónimo de fraco caracter. Again, so what else is new...)

Posto este recadinho muito apessoado, para quem quiser enfiar a carapuça (newsflash: I really don’t care. Mas só para que conste, estou na minha hora de almoço!), vou para o post em si. Isto seria portanto um prefácio, se alguém estivesse interessado em saber. Aliás, já fico feliz se alguém tiver lido até aqui, e me manifeste solidariedade perante tão ridícula sina para um intelecto tão mais merecedor de melhor do que isto...
Anyways...

Constato que o mundo anda perdido, e estou convencida que é porque são homens que andam a mandar nisto. Feminismos à parte, let’s face it: as mulheres são muito mais inteligentes! É um facto que só não foi ainda cientificamente provado porque há um complot internacional masculino a boicotar a publicação do estudo. Ninguém me tira por isso a convicção de que o mundo estaria melhor se fosse uma ‘gaija’ in charge. O mundo, onde se inclui, portanto, este cantinho à beira mar plantado. Ora parece-me, por exemplo, que o PSD estava melhor com a Manelinha, que até sabia dizer umas coisas, quando se pronunciava, o que nem sempre acontecia, é certo, e aparentemente lhe ditou o persona- non- gratismo das hostes internas mais aguerridas. Pois eu acho que a Manelinha foi muito incompreendida, porque quando não tinha nada de inteligente a dizer, calava-se, o que é um gesto que só demonstra bom senso. Pois que há quem lhe pudesse seguir as pegadas e falar menos. E melhor, já agora. Embora o Pedro seja muito bem parecido (eu tirava-lhe só aquele cabelinho muito penteado que lhe dá um arzinho de provinciano de meia idade, mas bom, se eu percebesse mesmo de consultoria de imagem também não tinha de ouvir a minha mãe dizer ‘vai tratar desse cabelo, que pareces uma doida’ sempre que me vê, o que dá uma média de 7 vezes por semana, já a contar com os dias em que me diz isto mais do que uma vez), quem o ouve (ontem aconteceu-me porque estava a jantar em casa alheia durante o debate e o comando não era ‘meo’) fica a pensar se o rapaz não convenceria mais com a boca fechada. Não cheguei a perceber o que é que eles querem (talvez por estar mais interessada no meu escalope aux champignons, é verdade), mas fiquei preocupada com a história do Pai Natal (imaginar-me de semblante carregado) e insurjo-me violentamente contra (imaginar-me com uma catana na mão), a não ser que subcontratem o transporte dos meus presentes. Assim de repente, não estou a ver quem podiam por de Rodolfo a puxar aquele trenó sem ir perdendo a carga no processo. E depois, organizados e cheios de ideias como andam, ainda o elfo Correia me trocava a meia lá na oficina sem o Coelho Papai Noel dar conta (não é difícil) e os meus sofás novos transformavam-se numa varinha mágica e já tenho duas, obrigadinhos! Encaro por isso com muita apreensão esta história de Pai Natal, até porque o Pedro não tem barbas nem barriga suficiente e depois ia parecer uma cenoura com barrete, admitindo, claro, a coerência no código de cores. Mas isto sou só eu a divagar, que não percebo nada de política nem aprecio particularmente. Mas, como leiga votante, achei um bocadinho confrangedor o ar mais ou menos bovino com que o jovem reagia à perguntas de Judite de Sousa. Mal está o país quando o presumível candidato a nosso Primeiro não é capaz de se impor numa entrevista e cai como um patinho em todas as armadilhas que o jornalista – uma mulher, já se vê - lhe coloca...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Acho inacreditável...

...que os senhores lá em Washington venham agora também invectivar contra Paris por causa da questão dos Roma, preocupados que estão (dizem eles aqui) com os seus direitos.
Se calhar preocupavam-se mais com o que se passa na fronteira do Texas ou em Guantanamo e metiam a viola no saco...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Yurie Manuel - 1994-2010


Não foi nunca o melhor cão do mundo. Mordeu-nos vezes sem conta, nunca aprendeu a sentar-se ou a fazer qualquer habilidade a nosso pedido, ladrava em decibéis proibitivos e nunca foi um animal que pudesse considerar-se meigo. Pelo contrário, sempre lhe fizemos festas sem ter a certeza de não perder um dedo no processo. Era um cão muito foleirinho, há que reconhecê-lo. Mas era o nosso cão e foi o nosso cão durante quase 16 anos. Talvez merecesse um melhor epitáfio, mas devo-lhe a cortesia de não ser hipócrita na hora em que o homenageio. Era um cão peste, peste como poucos, mas pôs duas mulheres feitas a chorar como madalenas à porta do veterinário e a mãe delas a fungar como uma criança também.

Tivemos de ajudá-lo a partir e custou muito. Custou muito mas também custava muito continuar a vê-lo definhar, a ver extinguir-se dia após dia o pouco de vida que ainda havia no seu corpo magro e já meio abandonado.

Nunca perdi um animal assim. Ainda estou na ressaca da coisa, mas temo que não se me arrede da memória a imagem daquele corpinho frágil e sem reacção na marquesa Há sempre um factor de culpa associado, ainda que racionalmente se saiba que é melhor assim, e que se poupa sofrimento. Isso a mim, curiosamente, não me consola grande coisa. Fui eu que assinei o termo de responsabilidade. É uma coisa com a qual vou ter de me reconciliar, mesmo sabendo que era o melhor a fazer. Fui eu que entreguei um cartão magnético para ficarem com o seu corpinho inerte. E o seu corpinho inerte está lá sozinho agora, à espera que o levem para cremar. E eu estou aqui, a lembrar-me da primeira vez que o trouxe para casa, cachorrinho mais lindo que ele era...
Dói-me, pronto. Dói-me mesmo como o cacete.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Diz que estou grávida!!!

Escusam de ficar escandalizados pela crueza do anúncio porque eu também fui apanhada de surpresa. Na verdade, só descobri hoje e pelo facebook!!!


Estamos muito felizes, tanto eu como o pai da criança (aliás, tenho de ir já a correr dar-lhe a boa nova) e claro que estamos muito emocionados por alguém me avisar que posso ter a minha barriga de grávida imortalizada numa placa de gesso. Por acaso até estamos a precisar de uma nova tábua de cozinha, calha bem.


Não sei se mais alguém acha que há certas grávidas que deviam ser fechadas num contentor durante os nove meses da gestação, para não partilharem as suas ideias bizarras com o mundo dos não hormonalmente perturbados. É que é preciso uma pachorra!!!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Do muito que embruteço neste emprego, e do esforço que ponho em qualquer actividade que me liberte do marasmo



É uma verdade universalmente aceite que é com grande sacrifício que passo oito horas por dia a matraquear números num teclado. Quis o destino, por grande ironia, que eu, uma moça que sempre foi das letras e sempre abominou matemáticas e afins, por lhes reconhecer muito pouca poesia e por ter aversão ao preto e branco da exactidão dessas ciências, me veja agora rodeada de números e taxas fiscais e coisas absolutamente desinteressantes para a minha sensibilidade. Tenho para mim que me deviam pagar um subsídio de embrutecimento, que é o que me está a acontecer por não fazer nada que implique uma criatividadezinha que seja, um simples desvio à rotina. Não. Não se passa por aqui nada, e o que acontece não é sequer interessante. A minha vida profissional assemelha-se muito à baia do Seixal na maré baixa: é lodosa e não cheira nada bem. Pelo menos a mim, que sei que posso fazer muito mais, muito melhor e de forma muito mais divertida. Mas pronto, a vida é assim mesmo, e estou reconciliada com o facto muito provável de nunca subir a um palco e cantar um dueto com o Jon Bongiovi, que era o grande sonho da minha vida, logo a seguir a descobrir o que toda a gente vê na Bimby, mas deixo isso para outro post.



Como nunca fui rapariga de baixar os braços, e preocupada que estava com o estado semi comatoso do meu cérebro durante a semana, tratei de procurar algo para me aguçar o neurónio. Pois que desencantei uma velha paixão de infância (não, não vem nada o Bongiovi à baila outra vez), a que volto a dedicar-me agora com grata satisfação: palavras cruzadas. Há quem ache que me ando a dedicar a isso como um viciado se dedica à coca, mas acho que há manifesto exagero nessas opiniões. Um serão inteiro ligado a um site de palavras cruzadas em inglês não faz de ninguém dependente. Bizarro, talvez, mas dependente...Já o facto de andar com um caderno de passatempos na mala parece-me mais comprometedor, mas ainda assim, sendo por uma boa causa, por exemplo o saber que o ita é um sapo da amazónia, tenho para mim que há coisas piores do que encontrar sinónimos e botá-los num quadradinho.
Visto que me considero uma pessoa generosa, dei-me ao trabalho (ponto alto do meu dia, mas não quero que se saiba) de partilhar este meu novo hobby e tomei a liberdade de suspender momentaneamente a minha contribuição para o PIB (cof cof) para dar outra utilização ao meu Excel. Lembrei-me de fazer uma grelha a completar com palavras muito acessíveis a quem me conhecer relativamente bem e souber ler nas entrelinhas das definições.


(infelizmente não consigo por isto a fazer popup, porque lá está, embruteço diariamente e ando a perder qualidades)



domingo, 29 de agosto de 2010

De como a minha vida seria tão mais fácil se eu coleccionasse borboletas em vez de cães e gatos

Nem Cérbero, o infame cão com três cabeças da mitologia grega, deu tanto trabalho a Hades. E Hades era um Deus! Mauzito, mas um Deus.

Ora eu não sou uma Divindade grega mas tenho um ponto comum com Hades: fomos ambos abençoados com um cão do Demo!


Não vos deixeis enganar por esta cabeçorra patusca e estes olhinhos ternos. Nero Augusto é o Chifrudo em forma de cão.
Nem é tanto o ser gigantesco e escavar buracos onde se podia enterrar Moby Dick, o lamber os vidros assim que acabo de os limpar e ter uma ínterpretação muito própria da palavra 'não', especialmente quando o 'não' é para parar de roer o sofá. Nem tão pouco o passar a vida a mordiscar Sasha Margareth, pisar os gatos sempre que pode e saltar-nos para cima na primeira oportunidade. E, pronto, ok, teve sarna e já gastei pra cima de 200€ com ele, so what else is new, toda a gente sabe que se eu recolher um animal ele tem sempre uma merda qualquer de pele que leva três meses a curar, a malta já aceitou este facto e vive reconciliada com o mesmo. E é teimoso como uma mula, e por mais que a gente lhe diga 'não morde' parece arraçado de tubarão branco, o raio do bicho, ainda pior que São Tomé que não chateava ninguém quando via para crer. Este monstro mordisca para crer, que o digam os meus braços e, digo-o com pesar (e alguma vergonha) a minha nádega direita, que também já passou pelo teste dos comestíveis. Ando cheia de nódoas negras e frustrações.
Bom, vá, apesar de não estar a exagerar, nem tudo é mau. O bicharoco é meigo, uma meiguice assim como a de um gnu que se nos deitasse em cima dos pés, e se rebolasse no seu banho de pó na savana africana. Claro que a sala não tem nada de savana africana, mas Nero Augusto parece achar que sim. Faz uma festa quando está connosco. É um bruto do cacete, mas é um bruto amoroso quando põe a cabeçorra no colo e pede festas.E quando finalmente aquieta, a malta até gosta de ver estes 30 kgs de cão a dormir placidamente no chão ao lado dos outros 38kgs de cão. Temos 70kgs de cão em casa, agora que penso nisso... mais 15 kgs de gatos... mais as osgas...mais uns gafanhotos e caracoletas e chegamos aos 100kgs de bicheza. Gaita!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Mais uma encantadora experiência...

...cortesia da Vimeca, esse gigante do transporte suburbano.
Pouco faltou para fazermos como na foto do lado. Infelizmente não pudemos ajudar porque o autocarro estava a fumegar fortemente na zona onde os senhores da foto estão a empurrar. Acresce que empurrar um monstro destes Monsanto acima já apresentaria algumas dificuldades a uma meia dúzia de paquidermes treinados, quanto mais a jovens quadros dinâmicos, de fatinho e salto alto (eu, claro) cujo exercício físico mais intenso e confessável dos últimos tempos tem sido o de regar a horta e pendurar cortinados.
Muito grata à Vimeca por este pequeno interlúdio bucólico no meio da A5. Afinal não é todos os dias que temos oportunidade de parar no meio da natureza e aspirar o ar fresco de Monsanto, mesmo se muito disfarçadinho nas emissões de monóxido de carbono dos carros que por nós passaram enquanto aguardávamos serenamente no meio do mato que o autocarro seguinte nos viesse resgatar. E que grata satisfação vê-lo assomar-se, autocarro salvador, cheio que nem um ovo, e que nos proporcionou mais uma inolvidável experiência humana: nada como um ensanduichamento de pé, em plena comunhão com o próximo, a próxima e mais algum parente afastado dos próximos todos, e a harmonia aromática inolvidável de um Chanel nº5 misturado com Rexona. E vá lá que hoje não está muito calor e que, aparentemente, toda a gente tinha tomado banho...

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Coisas que metem nojo

Começo a ter profunda aversão ao jornalismo de trazer por casa, sedento de sangue, em que quanto mais miséria melhor, e desde que se obtenha o furo que se lixe a edição e o decoro. Havia absoluta necessidade, pergunto eu, de passar na TV a evacuação da senhora que veio a falecer por causa da palmeira que caiu durante o comício? Havia absoluta necessidade de focar a poça de sangue ao lado da dita árvore que despencou? Não se pode deixar à imaginação de quem se deleita com estas coisas a aflição que ali se viveu? É mesmo preciso partilhar com o mundo? Pergunto eu, assim de repente, se as famílias que estão agora a chorar apreciam que o mundo tenha tido direito a ver o corpo do seu ente querido a desfilar até à ambulância, não obstante os esforços dos paramédicos em ocultar a senhora com umas mantas, num sentido básico de decência e respeito pela privacidade. Infelizmente não puderam impedir que se filmasse de um ângulo superior. Conferir aqui. E houve quem disso se aproveitasse e alguém superior que deixou que fosse isso incluído na peça. Acho isto absolutamente lamentável.
Não é a primeira vez que me chocam notícias feitas na Madeira. E não só na televisão, pois recordo distintamente que muita imprensa também fez questão de mostrar imagens explícitas do retirar de um pobre senhor apanhado pelas enxurradas do princípio do ano, já em rigor mortis evidente, num voyeurismo pueril e absurdo, como se alguém se pudesse sentir-se elevado por ver imagens deste calibre. Serei muito estúpida, mas falha-me ver em que medida é que isto é serviço público.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

post possivelmente considerado radical, mas é para o lado que durmo melhor!

Ainda aqui há dias comentava a estranheza que me faz nunca ter visto uma pessoa de etnia cigana a servir num restaurante, ou atrás de um balcão, ou que fosse num supermercado a fazer reposição, isto para só falar de profissões menos qualificadas, que não exijam mais do que algum bom senso e vontade de trabalhar. Estava obviamente com um ataque agudo de ingenuidade, mas deu-me para ali naquele dia.
Lembro-me de haver meninos ciganos na primária. Não sei o que foi feito deles depois da 4ª classe, por onde andaram ou o que fizeram, mas sei que estão hoje num bairro social, com casinhas branquinhas e jeitosinhas (um luxo comparado com os pardieiros onde viviam, mesmo à entrada da localidade, onde toda a gente evitava passar com medo de levar pedradas ou ser insultada) e que não pagaram um tostão por isso. Ora eu, que tenho um empréstimo para pagar até 2000 e não sei quantos, e por acaso até recebi ontem a contribuição autárquica para pagar (um escândalo, claro) fiquei a modos que irritada. Vai daí que me vieram as casinhas muito jeitosinhas do bairro social à memória.
Aproveitando a viagem a um passado distante, lembrei-me também dos kgs de fruta que a Ti Maria Cigana roubou da loja da minha mãe (descobríamos depois as cascas das tangerinas ou ameixas, ia variando o espólio conforme a estação, ali ao pé da porta, sinal do desplante e falta de cházinho daquela gente). E vai daí que o meu humor não melhorou.
Não me interpretem mal, sou muito a favor do live and let live, e não desejo mal a ninguém (a não ser a quatro ou cinco individuos que não me importava de ver debaixo de um cilindro compressor, mas, em minha defesa, nenhum deles é cigano. Embora um seja estrangeiro. ) mas confesso que nunca confiei neles. Nos ciganos. Aqueles com quem lidei de perto em particular, e creio que os outros todos em geral também. Não gosto de oportunismos. Não gosto das desculpas das minorias com estatuto especial. Não me venham dizer que é uma questão cultural, que me mando ao ar. Não me venham dizer que 'ah coitados que são marginalizados e mais não sei quê. E eu pergunto: e esforçam-se para mudar isso? Ou melhor, pergunto: e eles ralam-se por causa disso? Assim de repente, acho que não!
Pois que temos muita pena, mas não papamos esses grupos. Sou pior pessoa por isso? Ainda bem, que pelo menos é sinal de que não estou de palas nos olhos como as mulas do politicamente correcto. Só assim se compreende que, e não vamos mais longe, no Largo do Chiado persistem as ciganas das sete saias a roubar telemóveis nas esplanadas das mais conceituadas pastelarias, onde os empregados, benza-os Deus, se limitam a assistir e ainda dizem 'olha, mais um que já foi roubado, acontece muito' com o encolher de ombros habitual que traduz o imobilismo deste país de brandos costumes. Só assim se compreende que andem ciganas com bébezinhos nos braços a pedir para se lhes comprar leite em pó para a criança, que depois usam para cortar as doses de heroína que os distintos esposos andam a traficar. E estou à vontadinha para falar, que ouvi estas coisas por quem já sofreu um assalto na pele, e por quem viu muito entra e sai nos bairros sociais que proliferam paredes meias com zonas novas, e supostamente nobres, de Lisboa.
Era bom que monsieur Sócrates, por quem tenho muito respeito e a quem admiro a coragem de tentar governar esta nulidade de país (amigos, não é só o clima e a comida, vá lá, isto é mauzinho nas questões fundamentais) abrisse também os olhos e não ligasse aos histéricoszinhos intelectualóides que haviam logo de se mandar ao ar se alguém fizesse mal aos tadinhos dos ciganinhos, e fizesse como o amigo Sarkozy anda a fazer em França: hoje foram dois aviõeszinhos recambiados para a Roménia. Acho que amanhã vai outro e quem se tiver atrasado ainda pode ir dia 26!
Mai nada! Quem não contribui, não tem nada que estar cá a viver à conta de quem levou com aumento do IRS. Raio que os parta!
E quem me vier dizer 'Ah, e tal, mas nasceram cá, agora mandá-los embora...'. Então não são nómadas? Não é uma coisa cultural? Iam ver as vistas para outro sítio. Tanto lugar bonito por aí, sítios amplos, como o deserto do Gobi...

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Vicissitudes da vida campestre

Estava eu calmamente a entrar em casa, após acompanhar as visitas ao portão, quando sinto uma deslocação de ar bizarra e um leve toque na mão esquerda. Adepta que sou do lema ‘gritar primeiro e perguntar depois’ eis que abro a goela num miserável falsete e inicio o meu concerto da lamúria em si menor, ainda sem ter visto o monstro me caiu em cima, mas convicta de que seria seguramente gordo e feio. Por momentos pensei que o meu ex vizinho do segundo esquerdo se tivesse assomado nos meus novos domínios, mas felizmente a criatura ignora o meu paradeiro. A não ser que tenha falado com o homem do talho. O homem do talho sabe sempre tudo, benza-o Deus. Gosto muito dele.


Anyways...


Socorri-me de uma lanterna, providencialmente desarrumada em cima do móvel da entrada, para proceder à identificação e paradeiro do intruso para...hum, como dizer elegantemente... limpar-lhe o sebo! (Desde que moro no campo também sou adepta do ‘esmagar primeiro, ver o que era depois’).


Munida da minha luz de tungsténio e determinada a ignorar os comentários cépticos vindos do reputado especialista em bicheza rastejante com que partilho a minha existência atribulada, e que estava determinado, por seu lado, a não dar importância nenhuma à coisa, porque ´devia ser um aranhiço’ (ahã...um aranhiço!), abro a porta de rajada e vejo uma coisa destas a desaparecer por baixo do tapete da entrada.



Vai daí que o meu falsete aumentou e que fiz questão de chamar o reputado especialista para vir matar o tal aranhiço.. Reduzi-me à minha condição de donzela em apuros, recuei três metros e fiquei a assistir de cátedra à exterminação do monstro, cuja insidiosa existência só se extinguiu após vários golpes de catana.
(Nota para o leitor que planeie mudar-se para o campo: tenha sempre uma catana à mão. Uma catana e, se possível, um cilindro compressor. Assim, just in case)

Para os defensores da centopeia reticulada (inventei agora o reticulado, que fica bonito) que possam ter ficado escandalizados com o tratamento dada a esta criatura do demo, só tenho duas palavras a dizer: SHUT UP!!

Shut up, que a malta já doou para o fundo da bicheza sem abrigo. A malta não se importa de viver com duas osgas no alpendre. A malta acha piada aos bichos de conta que circulam pela casa, vindos sabe-se lá de onde. Ninguém se manifesta contra as estúpidas melgas que nos chupam o sangue até não poderem voar mais de gordas que estão, cheias do nosso fluido vital. Até as vespas que montaram acampamento ilegal no contador, a malta suportou. Durante uns tempos, pelo menos. Também já entregaram a alma ao criador, assim que arranjámos o Biokill.
Mas posso dizer que a malta não aprecia de todo bicheza desta, agressiva e venenosa, a cair-nos em cima. Esta bicheza não é nada bem-vinda. Esta bicheza leva-nos ao esganiço completo, à oitava impossível, que já só os cães conseguem ouvir. Por falar nisso, onde estavam os dois sabujos quando a sua dona estava a ser vilmente atacada??? A dormir, como lontras inúteis que são. Bom, dir-me-á o leitor quezilento, as osgas estavam por ali e também não ajudaram. Pois não, mas essas não comem à minha pala!...

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

E após começar o dia a ter de fazer uma reclamação à Fertagus e responder cinicamente, e com mais uma reclamação, à resposta que recebi a uma reclamação feita à MEO, esse primor de qualidade, e já a pensar que mais valia mandar-me da janela do autocarro para o viaduto Duarte Pacheco, eis que me surge uma boa notícia no inbox: lembram-se da Flopsy? Não? Como não??? ide ver aqui se não tiverdes mais que fazer.


Pois que a Flopsy foi adoptada! :)


Pois que agora sou madrinha da Miriam, que é esta coisa fofa que aqui deixo.



Hoje sem recados, que já sei que há quem não tenha paciência para mais divulgação da protecção dos animais. Eu cá sinto-me feliz com estas coisas. Perdoai-me, pois, o entusiasmo com que abdico de alguns minutos da minha hora de almoço para fazer um post e partilhar.
Boa sorte para a Flopsy, e...
Olá Miriam!
Que tenha boas notícias sobre ti um destes dias também.


domingo, 8 de agosto de 2010

The day before hell restarts

Acordei com as galinhas e estou sentadinha num puf, de pc em riste, a escrever enquanto os pássaros vão saudando o novo dia que acabou de despontar. O tempo parece estar farrusco, mas, depois dos quarenta graus de ontem, o tom cinzento e o ar fresco sabem pela vida.

Ao meu lado, o gigante Nero (nota mental: devíamos tê-lo chamado de Adamastor, tendo em vista as tormentas do seu comportamento de cachorro indisciplinado), sombra constante, vai suspirando de impaciência. Quer o pequeno almoço. Mas temos de aguardar que Sua Alteza D. Sasha Margareth se digne descer da alcova real. Ao ritmo preguiçoso dos últimos dias - que os animais também têm férias, pois então! -, Nero Augusto de Montenegro vai ter de aguardar mais uma horita ou duas.

Gosto deste momentos de quietude matinal. Ao longe já se vão ouvindo os carros dos madrugadores banhistas, mas nada mais perturba o canto dos pássaros, a não ser talvez o ronco de Sasha Margareth. Parece que as andorinhas também já acordaram. Começam a fazer os seus arabescos elegantes no ar. Algumas delas, curiosas, passam muito perto do alpendre, para logo depois fugirem ao ver Gato Gil e Boris, aka The Fugitive (o biltre passou pela rede e deixou-me lavada em lágrimas durante cinco longas horas antes de voltar a aparecer), a lagartar no jardim. Nádia está, como sempre, na sua cadeira, altaneira e a supervisionar os domínios. Gata mais snob, nunca vi. Contudo, é a única que vem imediatamente quando a chamo, esteja ela onde estiver. Onze anos conseguem este feito, do qual (vá, é feio, mas quero lá saber) muito me orgulho.


E porque estou tão bucólica e melancólica hoje?

Porque amanhã volto para o trabalho (oh joy!!!) e quero aproveitar bem tudo o que vou deixar de ter cinco dias por semana (e agora lembrei-me dos Bee Gees e mais o seu 'Tragedy'... não sei porquê...).

sábado, 24 de julho de 2010

There's a new kid in town

E como uma cadela e três gatos não chegavam, agora temos cá este.




Ladies and Gentlemen, I give you...(rufar de tambores)...
Nero Augusto
nobre cruzado de Castro Laboreiro, com cerca de um ano.
Estava no abrigo da Bianca (associação que recolhe animais abandonados) há três dias, depois de ter sido amarrado a uma árvore com uma corrente. Nós estávamos lá para a iniciativa mensal do 'Vamos passear o cão', que mais não é do que dar alguns momentos de felicidade aos bichinhos, levando-os a passear à trela. E pronto, foi amor à primeira vista. Não sabemos a história dele, mas deve ter sido triste. Não deixava que se aproximassem dele, de tão assustado estava. Foram precisos uns bons minutos de 'conversa' para o convencer a deixar-se acariciar, mas quando ele se deu, foi como se sempre tivesse estado à nossa espera. Ainda esperou lá quase dois meses (não tínhamos a casa pronta). Fomos buscá-lo hoje. Está cá em casa há quatro horas. Dorme o sono dos justos, num chão que já não é de areia e poeira. Já tomou a bela banhoca. Estou à espera que acordem, ele, e mais o dono, para irmos dar um passeio grande para ele começar a conhecer a zona. E depois é dar-lhe comidinha boa para lhe por carne nos ossos, e esperar que ele goste de estar connosco.
Como é que foi recebido pelos gatinhos? O pior possível, malcriadões cheios de mimo que são. Nádia bufa-lhe como um gremlin possesso e corre atrás dele. Boris assumiu o mode 'estou três vezes o meu tamanho e ando todo arqueado e bufo-te se te aproximas, Demónio Negro!'. Já Gato Gil cheirou-o e pensou 'és grande, mas não me assustas', bufou-lhe uma vez (noblesse felina oblige) e foi esticar-se ao sol.
E Sasha Margareth? Essa está com uma crise de ciumeira, como seria de esperar. O pobre cachorro não se pode mexer que ela rosna qual Godzilla enfurecida. É que sete anos de diferença já fazem mossa: ele quer brincar, ela quer mais é que a deixem em mode foca. Agora, por acaso, estão ambos em mode foca (ele em mode elefante marinho, mesmo), e reina o sossego, mas avizinham-se tempos interessantes...

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Por falar em mudanças...


O Castelo de Sesimbra, em todo o seu esplendor.
Via-o da janela, assim tal qual. De frente, altaneiro e imponente. Hoje, já não o vejo bem assim. Bem sei que ando a adiar a consulta de oftalmologia há uns tempos, mas não se trata aqui de falta de visão. Apenas de alteração de perspectiva geográfica. Vejo-o já não de frente, mas de lado. E de mais perto. De muito mais perto. Troquei os gritos das crianças mal educadas do 2º esquerdo e os cheiros de choco assado, mais a bisbilhotice dos vizinhos, pelo sossego das colinas, a verdura e o canto dos melros ao entardecer. Tenho aranhas por todo o lado, bichos de conta com fartura que me entram não sei por onde, e o ex libris: um casal de osgas obesas, Clarisse e Asdrúbal, que moram por cima do telheiro da entrada, e sua cria Gabriela, emancipada, e habitante do muro da garagem. Ontem apareceu uma nova, mais tímida e mais magrita, a quem decidi chamar Julieta. Não me deixaram dar-lhe carne picada. Achei mal. O bicho está claramente subnutrido! ( Se eu as consigo mesmo distinguir? É claro que não. Mas acho mais simpático abrir a porta da rua e dizer 'cá está a Clarisse', mesmo sendo o Asdrúbal, do que me ficar por um lacónico 'está aqui a osga gigantesca de novo'. Acho que os bichos apreciam a deferência, pronto. Assim, talvez fiquem quietas o tempo suficiente para eu conseguir uma foto, e, com sorte, também se abstenham de me fazer uma visita domiciliária mais íntima. Gostamos de osgas e lagartixas, desde que se mantenham no quintal. Sossegaditas, vá).


Não posso deixar de pensar constantemente na maravilhosa Karen Blixen e no seu inolvidável Out of Africa. Olho lá para fora, para o céu imenso e estrelado, e penso logo nos violinos da canção tema da banda sonora. Uma das minhas preferidas, já aqui o disse muitas vezes. Ainda não tive foi tempo para colocar o CD e ir lá para fora emocionar-me no meu novo cenário. Estou a anticipar. E sou paciente. Há-de ser no momento certo.

I had a farm in Africa
, dizia ela. Eu tenho um quintalzinho em Portugal, e já estou muito satisfeita :)

terça-feira, 20 de julho de 2010

Do horror

Foi o meu primeiro dia no desterro para onde o accionista, cuja adequada adjectivação me absterei de reproduzir, por urbanidade e cortesia (e medo de represálias, vá), nos enviou.
Pese embora veja árvores muy belas da minha janela de um solarengo primeiro andar, e pese embora o relvado do edifício em frente seja bonito e aprazível, e não se ouvir senão o chilrear de um ocasional passarinho, não consigo perceber o entusiasmo dos meus colegas. Seguramente, se eu morasse em Algés ou Oeiras e pudesse ir almoçar a casa, aí talvez entendesse a grande vantagem de trabalhar em Carnaxide. Ah...Carnaxide, essa bela localidade. De certeza que muita gente foi - e é -, feliz em Carnaxide. Não me incluo no lote. Eu estive hoje em Carnaxide pela primeira vez e encontrei-me lá inacreditavelmente infeliz. Eu gosto de árvores, relva e pássaros, mas convenhamos que, tendo isto tudo mal ponho um pé fora de casa, afigura-se-me estúpido apresentarem-me esse tipo de argumentos para eu achar que sou a mulher mais afortunada do mundo por ter sido enviada para essa terra do demo. Especialmente quando isso me custa duas horas de trajecto. Quatro por dia no total. Convenhamos que há árvores mais perto, não? Não preciso apanhar três transportes colectivos para ver árvores, pois não? Hell, eu tenho árvores!!! Minhas. Em casa. Portanto, quanto aos argumentos botânicos se calhar guardamo-los para quem se impressione com isso.
Mas vá, nem tudo é mau. Tenho de ser justa, há coisas melhores que na Avenida da Liberdade. Senão vejamos, a casa de banho das meninas, por exemplo, já não fica dentro da sala da contabilidade. Não que os colegas que lá moravam andassem a monitorizar os nossos tempos de permanência ou a frequência das visitas, mas pronto, há um certo pudor em saber que a dois passos da porta está o M. No novo escritório, pelo contrário, a casinha fica longe dos gabinetes. Muito, muito longe. Ao fundo de um infindável corredor. Tão infindável que coloquei um lembrete para uns dez minutos antes de ficar mesmo aflita, para garantir que chego a tempo de não ter nenhum acidente pelo caminho. Estou também a reduzir o consumo de água, pelos mesmos motivos.
Outra vantagem de estar em Carnaxide é conhecer muitas pessoas. De muito perto. É de louvar o serviço de socialização que a Vimeca presta à população. Hoje, por exemplo, pude estudar de perto a dinâmica do membro da plebe ensonado e a suavidade da cadência que imprimiu ao seu reboludo corpo enquanto roncava interiormente. Digo interiormente porque não consegui ouvir nada por causa do barulho do motor do autocarro. Vimeca, se me lês, já era de renovar a frota.
Se há coisas piores do que trabalhar a duas horas de casa? Há, com toda a certeza. Digamos que o meu mau feitio é apenas da saturação à série de bocas parvas que tenho ouvido, entre as quais as dos tais colegas rejubilosos que se gabam de ir almoçar a casa. Ou da outra colega bem intencionada que me diz 'deixa lá, tens mais tempo para ler'. Eu por acaso até conheço outro verbo, que rima com ler, e pode ser igualmente lúdico, que podia aconselhar a quem me diz estas coisas. A minha religião não permite, mas quem quiser adivinhar está à vontade.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Muita parra, pouca fruta!

Tenho para mim que, quando Newton viu a sua famosa maçã cair da árvore não se preocupou muito em saber o seu estado de conservação ou das suas relações com a outra maçã da árvore. A maçã caiu, Newton concluiu uma série de coisas que agora não interessam para nada, foi para casa pensar um pouco, e só depois publicou a sua Lei de Gravitação Universal. Foi a queda da maçã, e não o fruto em si, que o levou a reflectir sobre os efeitos da força de atracção dos corpos. Tenho para mim que Newton não foi procurar saber se o fruto estava bichado ou não porque deve ter pensado, e bem, que isso era de somenos importância.
Tenho para mim que o senhor J.E. Bettencourt devia preocupar-se menos com o fruto João Moutinho e mais com a moléstia geral de que parece padecer aquele balneário, moléstia essa que vinga graças à incúria dos responsáveis. Em última instância, o próprio J.E.B, que já provou ,em diversas ocasiões, ter muito pouco jeito para a fruticultura. Tenho para mim que devia fazer como Newton: ir para casa e reflectir. Não falar, que só lhe saem moscas da fruta da boca para fora. Caladito, a pensar. E só voltava a Alvalade com um sulfatador automático. Começava por ele, para dar o exemplo, e ia por aí fora, Director Desportivo incluído (e com direito a duas pulverizações) até ao roupeiro, decerto o menos culpado, mas só para não se ficar a rir. Tudo a levar com o belo do sulfato para matar o bicho.
Metáforas parvas à parte, vamos lá ver se nos entendemos: o João Moutinho está, como todos nós, a fazer pela vida. Quem está mal, muda-se. Se Alvalade não lhe serve, ó meu caro, por quem sois, ide à vossa vida. Se o Sporting não lhe serve, nós, sportinguistas também não o queremos lá a fazer frete. Que lhe faça bom proveito o FCP, embora o azul não seja, de todo, a melhor cor para o seu tom de pele. É lá com o moço. Assuma-se isto com graciosidade e sem insultos. Não se vem a público falar de fruta podre. Ainda que tenha razão, ainda que João Moutinho tenha sido incorrecto, a fazer fé no que se diz, ainda que não seja normal um profissional fazer birra e 'ai que não jogo, ai que não sei quê', um Presidente não pode, enquanto representante do clube, envergonhar o incauto adepto, que teve educação em casa, e quase se engasga com o pedaço do bife quando ouve as suas declarações. Gosto de jantar sem ter de me preocupar em ficar estrafegada a espernear e esperar que alguém me aplique a manobra de Heimlich (embora eu saiba como aplicá-la a mim mesma, que tenho um curso de três horas em primeiros socorros. Yuppi hey hey, foi a minha formação profissional toda do ano passado aqui na empresa)
Portanto, tenho para mim também que se o João Moutinho é uma maçã podre no balneário, também há por aí um grande abacaxi putrefacto sentado na cadeira da direcção! Bom bom era sair também. E de caminho dar boleia ao Director Desportivo.
Não há pachorra!

sexta-feira, 2 de julho de 2010

E como já tenho pouco com que me preocupar...

Agora vou ter de arranjar maneira de fazer uma destas:

Não tendo assim de repente tempo para ir buscar uma igual aos States, resigno-me a babar e a copiar daqui, enquanto me vou interrogando uma e outra vez sobre o porquê de não ser rica. É uma interrogação que me assalta amiúde.

Depois mostro como ficou (partindo do princípio de que consigo acabar o projecto conservando os dedos todos).

quinta-feira, 24 de junho de 2010

PQP

A minha mãezinha está sempre a dizer-me ‘filha, o teu problema é seres pouco esperta’. Estou tentada a dar-lhe razão: sou efectivamente pouco esperta. Demasiado reactiva e demasiado transparente. Not good. Eu sei disso, mas temos pena. O cinismo complica-me com os nervos. Nunca fui de apanhar moscas com mel. Nem vinagre desperdiço; as moscas esmagam-se, não me lixem! Portanto, não me venham cá pedir que faça cara alegre quando no trabalho me lixam à grande na minha vida privada e me forçam a ter de gastar mais uma hora por dia para ir trabalhar porque dá jeito a alguém ficar com o cuzinho no escritório pipi de Lisboa e vai daí a malta vai toda para outro concelho, que assim é que é bonito. Não me venham com sorrisos parvos mostrar as plantas, que eu não quero saber se vejo árvores da janela, e nem me venham pedir conselhos sobre a mesa que vamos ter na cozinha. Não me venham dizer ‘deixa lá, pelo menos vamos ter uma cozinha maior’. QUERO LÁ SABER DA &%#$%” DA COZINHA!!!! Aqui não há ‘pelo menos’nenhum. Há só mesmo é falta de respeito. E há mais uma hora de deslocação por dia, que é só isso que me preocupa. E os custos inerentes, tangíveis e intangíveis. A mesa da cozinha...pois não me parece que me compense. Nem que viesse equipada com porcelana de Limoges e guardanapos de linho. Por isso, desculpem lá se eu preferia almoçar com o meu tupperware em cima de uma secretária, se isso me evitasse perder mais cinco horas por semana num estúpido autocarro. Desculpem lá se pareço mal disposta e se não digo piadinhas para alegrar os patéticos dia de submissão ao sistema. Desculpem lá se, enquanto andam a ver as plantas e quem fica sentado onde e a escolher móveis, eu estou a magicar o que vou fazer à minha vida. Sou pouco esperta porque não faço panelinha optimista e atraio atenção negativa? Pois sou. Mas, caso alguém ainda não tenha percebido, eu estou entre a espada e a parede. Posso ficar só um bocadinho chateada por ser uma lose-lose situation para mim? Posso? Muito grata.

Ó meu Senhor, dai-me paciência. Dai-me paciência, ou dai-me cinco números e mais dois isolados. Dai-mos já esta semana, e eu até lhes equipo a merda da cozinha toda com azulejos da Fátima Lopes! (a designer, não a padroeira dos coitadinhos)