sexta-feira, 28 de novembro de 2008

A simbiose da miséria...

Unidos na desgraça europeia...
...mas nós estamos lá! (senão obviamente que não fazia este post!)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

O regresso da contestatária

Emergindo lentamente do torpor do mundo da monguice, por onde andei perdida durante uns dias, renasci das cinzas em grande estilo no campo da parvoíce laboral.


É um facto que tinha prometido a mim mesma nunca mais falar aqui de trabalho, mas o reino da lalaland é demasiado fértil em situações bizarras para ser desperdiçado.


Resulta, pois, que hoje levei um sermão sobre a forma correcta de fazer um requerimento. Apesar de termos pago uma fortuna a um consultor para nos fazer o trabalho, parece que a coisa não ficou a contento. Vai daí, é a monga de serviço (aka, yours truly) que vai ter de alterar tudo. Pacífico, mesmo depois de uma ensaboadela moderada: e porque os requerimentos têm formas normalizadas, e porque até devia ser em papel azul de vinte e cinco linhas, e com três centímetros de margem de um lado e não sei quantos do outro and so on and so on. Aproveitei uma pausa para respirar do chefe, e como quem não quer a coisa, e muito a propósito, como de costume, mandei para o ar que achava que a empresa devia dar um presente de Natal a cada empregado. O que me parece justo e sempre alegra a malta. Ainda me lembro no primeiro ano, em recebi um estojo da Furla (ah, pois é, nos bons velhos tempos era assim). Já o último presente que recebi - não sei porque ideia peregrina, e já há 3 anos - foi um livro intitulado 'Sem Destino' que narra os martírios de um polaco num campo de concentração nazi e que - ninguém me convence do contrário - era uma fina ironia prenunciadora de um futuro próximo...
Mas dizia eu que, como quem não quer a coisa, e com olhinhos de carneiro mal morto ( e hoje até estava de mini vestido, embora compostinha com a bela meiinha opaca) pedinchei prendas de Natal. Note-se que não pedinchei só para mim, mas para os coleguinhas também. Vai daí, o chefe, com graça, responde-me 'ai acha? Olhe, sabe que mais? Faça um requerimento!'


Vai daí, eu, que sou bem mandada, fiz!


Fui ao armário do economato, saquei a bela da folha A4 turquesa choque (à falta de papel azul de vinte e cinco linhas verdadeiro.) e redigi o texto seguinte, que entreguei em mão ao destinatário, tendo fugido a sete pés logo de seguida, tendo contudo vislumbrado um olhar que defino como um misto entre 'esta mulher está definitivamente maluca' e 'aquele vestido fica-lhe tremendamente bem'.
Amanhã logo vos direi se ainda tenho emprego ou não.

domingo, 23 de novembro de 2008

Há dias em que não vale a pena sequer tentar...

Estou aqui há alguns minutos a tentar decidir o que escrever. E porque continuo em maré baixa, não me ocorrendo nada que se me afigure justificável, nem tendo nenhuma curta metragem para apresentar, remeto-me ao mutismo dos monos e vou ver se o sol me aclara as ideias.
Aproveitem e ouçam a música. Um dos grandes títulos de Brel, recriados por este jovem Thierry Amiel, injusto segundo classificado do programa francês 'à la recherche de la nouvelle star'. O vencedor, Jonathan Cegada, tinha defendido, entre outras menos ridículas, a canção 'Whenever, Wherever' de Shakira...Não, não estou a brincar. E é por isso que me irritam estes formatos em que é o público que escolhe. O público, em geral, não prima nem pelo gosto, nem pela inteligência. Pareço snob e arrogante? Estou-me nas tintas! É verdade.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Alive and Kicking

Tenho andado a mil. Tanto assim é, que acho que plagiei o título de um post recente da Carracinha Linda. Forgive me, mas não me apetece pensar noutro agora...

Não é desculpa, mas justifica o facto de ter menos tempo para visitar os blogues amigos e responder aos comentários com atrasos indecentes. Entre horas de almoço que passam a correr, um reafirmar de princípios que faz com que não aceda aos blogues durante o expediente (Deus, que tortura!!!), sobra-me pouco tempo durante o dia. Depois são as aulas, ginástica, cineminhas...e chegar a casa tardíssimo, claro. E depois o quality time com a minha bicheza e uma síndrome estranha, cujo sintoma é não conseguir sair do sofá ;)


Isto tudo para dizer que ando a desleixar-me e já tenho tido reclamações de falta de seguimento de assuntos.


Há uns dias, um amigo perguntou-me 'então e novidades sobre o sucesso do curso das Belas Artes? Nunca mais disseste nada...'. Respondi-lhe, sem falsa modéstia, que se a palavra operativa da frase era mesmo 'sucesso' isso per se explicaria o meu silêncio...Por outras palavras, é um consolo saber que não dependo do desenho da figura humana para viver! Talvez não passasse fome, mas certamente teria de comer sardinha em vez de salmonetes. Claro que pessoas há, na turma, que poderiam comer ovas de esturjão todos os dias. Ora isto desencoraja-me! E o meu orgulho sofre. Sempre que o professor se aproxima, sustenho a respiração. Regra geral, ele também. Depois suspira. Depois diz qualquer engraçada do género ' O seu Deus da Guerra está um bocado bronzeado...' (meaning: Rapariga, o homem era Grego, não era da Somália! Controla lá as sombras...). Segue-se, geralmente, o som furioso da borracha no papel. A minha borracha. No meu papel. Várias vezes...
Em suma, não sou, de todo, Da Vinci.
A prova, para não dizerem que só mostro coisas quando estão muito jeitosas:


(fiz batota, o Deus da Guerra com excesso de solário está mesmo mau demais...não mostro! Este é outro rapaz qualquer, não me lembro do nome, mas era famoso, e também tem as sombras mal amanhadas, embora se perceba que não vem da Somália. Acho eu... )
Isto, são as más notícias...

Em contrapartida, ontem fui recebida em apoteose na minha aula de ginástica. É verdade! Por motivos de saúde, de excesso de trabalho, e de preguicite aguda, não pus lá o pezinho durante um mês. Decidi, ao ver o meu perfil arredondar-se que se calhar faria bem em regressar. Tenho para mim que os espelhos são uns antipáticos, digam o que disserem. Assim, ontem, entrei na sala e ia para me dirigir à monitora quando fui acolhida pela Monique (aka, Panzer Girl) com um grito (bom, foi mais uma exclamação muito entusiastica):
- Paula , Paula!(Paula é a monitora), Olha, já cá está a Amy!!!!

E a Paula: 'então Amy, já voltaste da tournée?'

Tcharam!!!!
Quando não os podes vencer...Entrei entusiasticamente no jogo e por muito pouco não dei autógrafos à massa humana em delírio (massa humana=umas dez miúdas). E fiquei a saber que não se nota nada que estive parada um mês, segundo a Paula. Acho que por ter conseguido fazer os exercícios todos sem partir osso nenhum. Claro que o facto de hoje ter andado o dia todo aos 'ais' e hirta, qual Robocop cheio de verdete, poderia fazê-la rever em baixa a sua opinião...
Mas enfim, em resumo, é a chamada lei da compensação: desenhos miseráveis, abdominais de aço!

Ando numa de ser positiva... MAS CUSTA COMO O RAIO!!!!

domingo, 16 de novembro de 2008

A minha vida dava um filme negro

Balanço da semana:
- Boris: infecção urinária
- Nádia: otite
- Sasha Margarida: mais três kgs (peso actual: 37,5 Kgs. Oh joy!)
(Gato Gil, amo-te de paixão meu bebé esbelto e saudável!!)
- E ainda: vacinas para as meninas, desparasitante para todos, líquido maricas para limpar os ouvidos da piolhosa da persa, e anti pulgas (para gatos que não saiem de casa, mas nem vou por aí...)
Resultados práticos da semana:
- Menos 190€ na carteira
- Mais um sermão da vet sobre a limpeza dos ouvidos da gata e obesidade da cadela ( como se eu tivesse culpa que ela roube comida do armário)
- Mais um sermão de mummy ' no que tu te metes, esses bichos vão levar-te à ruína, bla bla bla bla bla bla...andas a trabalhar para os bichos bla bla bla bla bla bla' (nota mental: da próxima vez, desconversar ou mesmo mentir à descarada quando me perguntar quanto custou)
- Menos um blusão de cabedal castanho que andava a namorar na Mango há três semanas e que vai com toda a certeza parar ao roupeiro de alguém que não vive com quatro sugadores de 'érios'...
- Menos três pontos no campeonato, que foi a cereja no bolo do dia de ontem...aaaahhh (suspiro de desalento) (não sou kamikaze, não, mas como já conheço alguns dos que me lêem, prefiro ser eu a capitular antes que me digam alguma coisa...em todo o caso: be gentle, por favor!)

Devia estar, por isso, mega deprimida, certo? Pois não estou. Tudo vale a pena, e pode ser que alguém (hello, mana e resto da malta?! ;)) se cotize para me oferecer o meu blusão matador. Sou como Job (só que muito mais gira): tenho montes de paciência e suporto montes de contrariedades, porque acredito que um dia, - de preferência enquanto eu ainda puder andar e souber o meu nome -, o meu pote de ouro no fim do arco íris se revelará.
Além disso, decidi ver as coisas pelo lado positivo: se não tivesse os meus bébés, não poderia descobrir a minha veia para a realização e vocês não veriam a pérola que se segue.
Notas:
Para ver o vídeo, 'pausem' por favor a música do blogue, porque não andei a matar a cabeça para colocar banda sonora na coisa para depois não ouvirem, certo?
E se alguém conhecer um bom carpinteiro, por favor preciso do número: é que a lasca a menos que se vê na porta da minha sala não é um efeito especial!

video

Leão de Veneza! Urso de Berlim! Me aguardem!...

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Interlúdio musical

Sou viajante assídua do tubo eléctrico a que chamam Metro. Gosto da rapidez com que nos faz atravessar meia cidade. Gosto do facto de não poluir o ambiente. Gosto menos, é certo, dos apertões e ofensas olfactivas, e do aspecto pouco limpo das carruagens, mas são as inevitabilidades de um transporte colectivo, e nem vale a pena pensar muito nisso.

Por isso ontem fiquei genuinamente surpreendida com a iniciativa com que fui brindada na Estação Jardim Zoológico (para mim é Sete Rios, como sempre foi, que mania de inventarem). Com uma massa humana apressada a 'levar-me' na maré, foi a custo que consegui divergir para aquilo que de longe (vá lá que tinha os óculos) me tinha parecido uma clareira. Era, efectivamente. Alinhados em semi círculo na clareira, estavam cerca de 25 pessoas. Homens atrás. Mulheres à frente. Instalei-me ( que é como quem diz parei, no sítio que me pareceu o melhor para não levar com a horda de galifões que continuava a emergir do túnel) e por ali fiquei, a perder comboios sucessivos, enquanto ouvia o Grupo Coral do CCDTML(Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa) a oferecer a quem por ali passava uma simpática actuação, brindada com sorrisos de quando em quando.
Como toda a gente sabe, eu sou uma grande maricas, que chora por quase tudo, e ainda mais por quase nada, e a música a capella toca-me particularmente. Foi pois, a custo, que fui disfarçando uma ou outra lágrima furtiva num trinado mais conseguido, ou nas fabulosas harmonias que o Maestro arrancava daquelas almas. Cânticos populares e de Natal, um dos quais em francês, cativaram uma boa dezena de pessoas que, como eu, teriam ficado mais tempo a ouvi-los. Na verdade, quando o grupo parou de cantar e viu que ninguém arredava pé, quase disseram 'amigos, vão para casa, que nós também queremos ir embora, sim?'...

Assim fiz, mas contrariada. Soube-me o tempo que ali empreguei. Nunca perdi comboios com tanta satisfação. Fiquei a pensar nas pessoas que continuaram na maré, e seguiram em frente, sem aproveitar o inesperado momento. Lamento pelos que não tiveram tempo de ter tempo, e que talvez até tivessem gostado de ficar. Quanto aos outros, os que iam passando e gozando (sim, é verdade), os puramente estúpidos, que não conseguem distinguir arte nem que ela lhes esborrache violentamente a cabeça, desejo-lhes apenas muitos anos de huntz huntz e buraca sound system, que parece ser a única coisa que as suas fúteis cabecinhas conseguem assimilar. Com todo o respeito pelo trabalho dos agrupamentos que se dedicam ao género musical do 'abana a cabeça até uma vértebra de partir e te cortar a jugular', claro. Eu não gosto, mas não gozaria com a actuação se passasse por ela. Infelizmente, tenho de partilhar o ar que respiro com gente estúpida e mal educada que não apreciando, não tem a cortesia de não se manifestar. Ceús, a plebe anda a ficar cada vez pior, não é?

Para quem puder e quiser aproveitar, aqui fica o programa completo das actividades inseridas nas comemorações dos 60 anos do metro de Lisboa (fui pesquisar, como uma linda menina)

O que estão a ouvir faz parte da banda sonora do filme 'Les Choristes' que recomendo vivamente, e onde se destaca a voz (e rosto) angelical do 'piqueno' Jean Baptiste Maunier. Para quem quiser deleitar-se...

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Verdes de inveja...

Uma amiga enviou-me, como saudação matutina e solidária, a seguinte fábula, para reflectirmos em conjunto:

Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um pirilampo. Ele fugia com medo da feroz predadora, mas a cobra não desistia.Um dia, já sem forças, o pirilampo parou e disse à cobra:

- Posso fazer três perguntas?

- Podes. Não costumo abrir esse precedente, mas já que te vou comer, podes perguntar.

- Pertenço à tua cadeia alimentar?
- Não.

- Fiz-te alguma coisa?

- Não.

- Então porque é que me queres comer?

- PORQUE NÃO SUPORTO VER-TE BRILHAR!!!


E é assim....Diariamente, tropeçamos em cobras!...e, não raras vezes, conseguem ser mais feias do que esta.

domingo, 9 de novembro de 2008

Desafio muito maravilhoso


Numa das minhas incursões pelos blogs habituais, deparei-me com um desafio engraçado. E porque a Maria mencionou qualquer coisa sobre bonecas e vudus para quem não pegasse na coisa, e porque Eu e Dor Aguda não somos muito chegados, cumpre-me fazer por preservar a minha integridade física.



As regras são simples:



- Colocar uma foto nossa




(estavam à espera de quê? Depois do queixume todo, estava bem de ver quem é que eu ia por aqui...embora tenha escolhido uma de quando ela era mais ou menos engraçada)


- Escolher uma banda.

Craro, né? ( Quer dizer, estive indecisa entre eles e os Beatles (calma...ok? Eu sei que não tem nada a ver. Sou eclética, e depois?), mas para certas perguntas dava-me mais jeito uma coisa mais mainstream. Puristas, perdoem-me)

- Responder às questões com títulos de canções da banda escolhida

Ora bem, aqui fica:



1. És homem ou mulher? Lay your hands on me (deve dar para perceber, espero eu)

2.Descreve-te. She’s a mistery

3. O que as pessoas acham de ti. Blaze of glory (perdoarão a imodéstia, mas o blogue é meu, mesmo...)

4. Como descreves o teu último relacionamento? Lie to me ( e o outro antes desse, e o antes desse e ainda outro antes desse. A raça é muito aldrabona...)

5. Descreve o estado actual da tua relação. Living on a prayer (aqui dava-me jeito ter escolhido os Queen que espetava aqui 'Invisible Man' que era uma beleza)

6. Onde gostarias de estar agora? Bed of roses

7. O que pensas a respeito do amor? Something to believe in

8. Como é a tua vida? It’s my life (e está tudo dito)

9. O que pedirias se pudesses ter só um desejo? Diamond ring (com a crise é sempre bom ter um bem rapidamente convertível )

10. Escreve uma frase sábia. Keep the faith


E desafiar alguém a fazer isto com canções dos D'zert? Isso é que é que era giro. Mas não, não vou fazer essa maldade. Quem quiser levar o desafio, esteja à vontade. É giro e faz-se uma pequena introspecção a pensar nestas coisas aparentemente inocentes...Ah , pois é... Hum...na verdade, acho que me vou ali suicidar e já volto, sim?

Miracles Happen

Ontem aconteceu-me um.
GRANDE!!!
A instalação do MEO correu bem: a minha net já está ilimitada e supersónica. Já consigo abrir as páginas todas, comentar os blogues de toda a gente à primeira, ter 10 páginas abertas ao mesmo tempo, personalizar este espaço lúdico em poucos segundos, ler o expresso online e ver se arranjo outro emprego, e, last but not least, ter música no blog (o que poderá entreter quem estoicamente consegue ler os meus testamentais posts até ao fim).
Para festejar a efeméride, parece-me adequado este 'Hallelujah', não acham?
E, claro, tenho de fazer um agradecimento público à minha Kazinha, amorosa, que me atendeu as preces e me explicou como por a música. Obrigada, linda. Para seres perfeita só te falta mudar de clube!

Estou satisfeitíssima com a net, mas há um senão com a TV. Ou melhor: três 'senões'.

O primeiro é que não tenho M6 por defeito (Argh)

O segundo é que não tenho BBC Prime por defeito (Duplo Argh)

O terceiro - e absolutamente inacreditável - é que tenho o Canal Benfica por defeito.

Why, oh GOD, why, do you not like me????

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Dois em um...

Uma das tradições francesas que faço questão de não abandonar, ainda que esteja agora por terras lusas, é o de festejar o dia do Santo com o nosso nome de baptismo. Existem aliás calendários próprios para o efeito, com a indicação do nome festejado dia a dia.
Para além de uma saudação especial, geralmente um sonoro ‘Bonne Fête!’, não está excluída a oferta de uma lembrança, pormenor que sempre foi do meu agrado ;).

Por isso fui recebida esta manhã com uma linda rosa, dada pela minha linda mamã. Sim, hoje é o meu dia no calendário!

E neste mesmo dia, há trinta (glups) anos atrás, foi-me oferecida a melhor prenda de todas. Vinha ‘embrulhada’ num babygrow cor de rosa, de onde espreitava uma carinha vermelhusca e esfomeada, que anunciava a sua chegada ao mundo a plenos pulmões. A minha mana linda nasceu no meu dia. E esta, hein?

Para ti, M. com um grande beijo de parabéns!!!


quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Mitos desmistificados

Pois que saí do trabalho com a rara satisfação de ver um objectivo cumprido e decidi trocar a ginástica por um cinema. Como a minha amiga vai ao cinema duas e três vezes por semana, o cartaz de fimes por ver reduzia-se a cinco: um sobre uma corrida de carros aparentemente perigosa (está-se mesmo a ver que vou perder tempo com coisas parvas), outro sobre o Bush (está bem de ver que também não vou perder tempo com um filme redundante que só prova que um imbecil o é efectivamente. Consta até que Josh Brolin, que incarna o debilóide, se sentiu ofendido com a oferta do papel. Folgo em ver, contudo, que o all mighty dollar terá obstado à terrível ofensa!), outro com actores desconhecidos e enredo insípido, e um intrigante 'Em Bruges'. Este último chamou-me a atenção pela odiosa composição do cartaz, em primeiro lugar. Do mais feiinho que já vi, mesmo. Mas assim que vi o elenco, elegi-o. Nada mais que Colin Farrel, esse pedaço de mau caminho do urbano underground, e o meu incontornável e distintíssimo inglês Ralph Fiennes. E um filme britânico. Bom, muito bom.


Foi,pois, ligeira e alegre que me dirigi ao El Corte Inglês.
Assim que cheguei, dei de caras com o Nuno Rogeiro!! O HOMEM EM PESSOA. ALI À MINHA FRENTE!!! Ó extâse! Ó Luxúria! Ou não... Ou não... Depressa se desvaneceu o meu inflamado enlevo porque:

a) o tipo cruzou-se comigo assim tipo 'how can you not see me?' e não me ligou nenhuma, o que é imperdoável!

b) de perto, fui forçada a rever em baixa as minhas considerações sobre o seu grau de atractividade

Foi portanto meio desapontada com este anticlimax prenunciador, que entrei na sala.


A visão do Colin rejuvenesceu-me, os diálogos brilhantes (de tão absurdos) animaram-me bastante, e só faltava mesmo aparecer o Ralph para a coisa atingir o zénite. A meio do filme, o homem aparece. Mas do jeitoso só uma fugaz miragem de azul. Magro, acabado, outro que não ele. Ralph, homem de Deus, onde está o teu garboso porte de Conde Almazy?? O teu emblemático e metálico olhar de nazi semi demente? Ah, Fatalidade! Olhei para ti e já não senti borboletas fantasiosas a esvoaçarem-me na corrente sanguínea... Ó mundo cruel, que me levaste a ilusão da imortalidade da sua beleza masculina perfeita, quando o vi assim:



(Suspiro de profundo extâse)
(Mais suspiros de profundo extâse)
(Pausa para passar pano molhado na cara e pescoço)
Saí tristonha, apesar de ter gostado muito do filme e das suas subtis ironias. Recomendo vivamente a quem não se melindrar por ouvir 'the F word' a cada três palavras.

Como se não bastasse o meu desastre emocional no ECI, assim que chego a Sete Rios dou com um mar vermelho na plataforma do comboio. Largas dezenas de benfiquistas aguardavam o mesmo comboio, envergando camisolas e cachecóis. Quê?!!! vou ter de me sentar e com eles e arriscar levar com estes cachecois do demo em cima? Olhei em volta, tentada a mandar-me para a linha. Mas os semblantes carrancudos deixaram-me adivinhar uma predisposição para o suicídio maior do que a minha, e acabei por ter um pensamento de empatia e aceder a compartilhar o meu banco com um dos espécime mencionados. Ainda me ri à socapa, ocultada pela minha Sábado, que o rapaz tinha humor e animou a carruagem com as suas teorias de bom chefe de família benfiquista. Não gostaria era de ser mulher dele, que parece que lhe ia bater quando chegasse a casa, por causa do resultado nefasto.

Mas não ficou por aqui o meu penar, não senhora! Meia hora de benfiquistas no meu espaço de segurança (menos de 50 cm, já começo a ranger os dentes) é dose, mas pasme-se! Ainda tive de gramar com mais três criaturas dessas e respectivos adornos, plantadas em frente à porta do meu prédio e em animada discussão às onze e meia da noite. Meu Deus, que praga me lançaste hoje???

Demasiados choques, para uma noite só...

Vou ver se durmo e se sonho com o Ralph dos bons velhos tempos. Meu Deus, que desapontamento!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Quem quer ser o meu papá ou a minha mamã?

'Olá, meninos e meninas leitores deste espaço lúdico e um pouco insano!
Somos duas meninas e um menino muito lindos e bem comportados, saudáveis e brincalhões, e viemos aqui para uma operação de charme absoluto para ver se encontramos uma família nova, que nos mime muito.
A nossa 'mãe' actual chama-se Sandra e vai ficar com uma mana nossa (não pode ficar connosco porque também já tem outra gatinha), mas queria ter a certeza de que ficamos bem entregues e gostaria de ir tendo notícias de vez em quando.
Por isso, percam dois minutinhos a olhar para as nossas caras larocas e deixem-se tentar!'

Pronto, já falaram os bébés, agora falo eu!
A Sandra pediu-me ajuda para chegar a tantas pessoas quanto possível para encontrar um lar para estes bichinhos lindos. Como a blogosfera é um mundo, e cada blogger tem uma série de outros contactos pessoais, o que eu pedia a quem por aqui passar é que pegue na foto ou no link deste post e o faça circular por email, para um ou outro contacto que seja um animal lover e que possa passar a mensagem.
Para mais informações, passem no blogue da Sandra (http://ervascompanhia.blogspot.com/), que ela é que sabe tudo sobre os bébés e tem fotos deles desde bebézinhos. Uns fofos!
Vá lá, olhem para estas coisas lindas e façam já a vossa boa acção de Natal!!

domingo, 2 de novembro de 2008

Última hora?

Estava ontem placidamente a jantar quando a pivot da Sic anuncia uma notícia de última hora. 'Ok, mataram o Obama', pensei eu. Caiu um avião. Caiu uma ponte. Caiu o Governo...
Não. Não. A notícia de última hora, que me fez pousar os talheres em angustiada espera, foi mesmo a de que o Porto perdeu com a Naval! Certo...
Mais alguém acha que se está a cair no absurdo jornalístico?
Obviamente que fico contente (desculpem-me os amigos portistas) porque são menos três pontos de vantagem sobre o Sporting. A questão é: queremos mesmo um noticiário que dramatize e incendeie? Julgo que não.
O histerismo à volta do futebol irrita-me. E eu gosto imenso de futebol. Gosto, pronto. Do que não gosto é que exagerem. Não é uma noticia de última hora um clube perder e outro ganhar. Não é. Desculpem. Nem devia ser notícia de abertura uma mudança de clube de um treinador.
E muito menos deveria haver um gozo quase que palpável ao anunciar uma derrota do FCP. Não se faz. Muito menos num telejornal nacional. Eu não sou portista e fiquei irritada. Depois admiram-se das hostilidades entre Norte e Sul!