segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Epílogo

Queria agradecer a todos quantos aqui deixaram palavras de solidariedade, e a todos os que enviaram sms e ligaram (quase tão chocados quanto eu fiquei). Fiquei sensibilizada com o carinho e o apoio, mesmo de pessoas que, à partida, não têm a afinidade que nós, que temos o privilégio de ter gatos, cães ou periquitos, temos para com os nossos animais. Mais do que afinidade, atrevo-me a dizer, e quem tiver animais sabe do que falo: é um amor profundo e desesperante. É incondicional. Gostamos deles sem reservas, mesmo que sejam do mais ranhoso para nós. Fazemos o que podemos, gastamos rios de dinheiro para que estejam bem, gastamos rios de dinheiro para que deixem de estar mal. Foi assim com Yurie. Foi assim com Nádia. É assim que as coisas funcionam, e há que aceitá-las com a graciosidade possível. Custa, mas não podemos fazer nada. É deixar o tempo agir.



Nádia foi enterrada numa caixinha cor de rosa - ela tinha paixão por caixas, adorava enrolar-se em bola dentro de caixas, sacos de papelão...até dentro de uma fruteira a apanhei, tontinha que era -, com uma mantinha polar e muito carinho. Resolvi trazê-la de volta para casa, porque não ia suportar a ideia de uma incineração com mais não sei quantos animais, além de que assim a tenho perto de mim, lá num cantinho do jardim. Quando esta maldita chuva passar havemos de plantar por cima dela uma roseira vermelha, comprada há dias com essa intenção. Quero que cada rosa me lembre Nádia. Quero que cresça vida onde outra vida acabou. Sou lírica e lamechas? Deixá-lo. Raios me partam se eu me deixo arrastar pelo global sentimento de indiferença que assola este mundo cada vez mais oco. Eu acredito na Beleza, e no ciclo da vida, e sei que vou ter rosas lindas. Porque Nádia era linda. E porque a vida continua.



9 comentários:

  1. deixa-lo mesmo! porque se há quem ainda mereça algum carinho são os animais de certeza por serem tão puros

    ResponderEliminar
  2. Os animais que viveram, cresceram e conviveram connosco serão sempre inesquecíveis. Mais do que muita gente eles são pacientes, gratos, amigos, sensíveis, seres de uma pureza e um afecto inexcedível.

    ResponderEliminar
  3. Acho uma ideia bem bonita, e uma boa homenagem :)

    ResponderEliminar
  4. Olá! Sigo o seu blog, porque tb sou uma "amante"de gatos: tenho 2, amarelos, lindos e lustrosos! Fazem parte da familia, não imagino a vida sem eles. Habitualmente não comento (nem sei como criar uma conta), mas após ler o seu ultimo post, senti necessidade de lhe enviar um beijinho e um abraço apertado. Já passei por isso e comovi-me tanto, tanto com o que escreveu!Um beijinho, Laura

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Tenho a certeza que nascerão lindas rosas, sim, e que sempre que as olhares te lembrarás da Nádia. A vida continua, mas os nossos bichinhos ficam sempre guardados no nosso coração... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  7. Um beijo grande...
    e rosas bonitas de lembrança...

    ResponderEliminar
  8. Bela homenagem....e sim para uma linda flor como ela era, nada como lhe oferecer uma roseira.....que te retribuirá com lindas rosas.

    Beijinhos grandes.

    ResponderEliminar