quinta-feira, 24 de julho de 2008

Sê-lo ou parecê-lo?

Foto
Dias antes de partir para a Tunísia, uma das minhas colegas da pintura - senhora bem posta e de consideráveis recursos - recomendou-me que fosse ao Souk 'deitar o olho' às imitações de carteiras de griffe, porque conseguiria arranjar uma Louis Vuitton por 50€. Sorri, agradeci, e esqueci!
Já na Tunísia, e estranhando com certeza a minha serena contemplação de turistas histéricas a arengar com os nativos para obter tão cobiçado artigo, um outro colega viajante questionou-me: 'então, não levas uma malinha?' 'Não'. 'Não????'. 'Não'. Tive de explicar-lhe porquê para ele tirar aquele ar de espanto do semblante asenino. Disse-lhe mais ou menos isto:
a) não preciso
b) sou contra as contrafacções
c) não gosto de parecer o que não sou e fazer figuras tristes com malinha Louis Vuitton e 'xanatas' da Seaside.
Isto arrumou o assunto na altura. Mas agora que uma conversa de almoço me fez pensar nisto, apetece-me acrescentar mais qualquer coisa.
Que fique bem claro que não tenho nada contra quem compra griffe fora do circuito normal. São opções e não pretendo fazer julgamentos de valor. Aliás, em tempos (muito) idos, eu também comprei alguns relógios Cartier e Hermès a preço de amigo e mais pela originalidade dos modelos, do que propriamente pelo logotipo apenso nos mesmos. Mas hoje em dia, evito. Não é por nada, só que não tem a ver comigo. E acho que não faz sentido uma pessoa ostentar um artigo que é, manifestamente, de luxo, quando não se tem sustentação para tal. Ou se tem argumentos (também designado por valente guito) para ostentar artigos de luxo, ou não faz sentido. Numa vida absolutamente banal e, fisicamente exigente, nem desculpa tenho para a ostentação . Vejo-me mal, por exemplo, num vestido DKNY branco, ensanduichada no metro. Ou a passear Sasha Margarida do alto de uns Manolo Blahnik. Ou encorajar os gatinhos a virem receber-me com turrinhas de encontro às calças do meu tailleur Prada. Não mixa, lá está.
Portanto, não gasto (montanhas de) dinheiro em marcas. Nem em contrafacções, senão a hipocrisia seria imensa. Não é que não goste de andar arranjada, ou que não seja vaidosa, mas sempre acreditei que não é a roupa que se tem, mas sim como se veste a roupa que se tem que determina a elegância. Anda por aí muita 'peruada' Chanel que não chega aos calcanhares de uma comum mortal da Zara. É uma questão de atitude também, mas sobretudo uma questão de prioridades. Há quem tenha crescido no meio do luxo e das marcas e ache normal dar 3.000€ por uma mala. Nada a opor, é a realidade dessas pessoas. Respeito e não invejo; ainda bem que o podem fazer. Há quem tenha uma sede de protagonismo, geralmente aliada a parcos recursos intelectuais, e invista na ostentação para conseguir uns jantares à borla e uns amigos coloridos com cartões de crédito dourados. É lá com elas. Há quem genuinamente goste de moda e retire real prazer de um closet cheio de roupa design . Essas aplaudo, porque pretendem agradar apenas a si mesmas, e assumem-no. E, ainda que esta sua prioridade para mim não faça grande sentido - porque tenho outras, e não porque seja a dona da verdade - respeito-a. Mas a mim, pessoalmente, um closet de griffe não me diz absolutamente nada. Não ligo nenhuma. Tenho uns padrões mínimos de qualidade, mas tirando isso, não sofro de 'etiquetofobia'. Se eu poderia comprar uma malinha Louis Vuitton ali em frente na Fashion Clinic? Claro que sim. Mas prefiro ir ao Perú para o ano...

22 comentários:

  1. Posso assinar por baixo! Li e reli e concordo com todas as virgulas! E já agora... posso ir contigo ao Peru??!!
    :) Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Li: Bora fazer um jantar de bloggers por lá! ;)
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Então já escolheste o intinerário para o ano e não disseste nada???!!
    Olha k gosto mais desse destino k dos Açores. Hum...temos k falar...
    Quem te perguntou se não compravas uma malinha? Fui eu???É k eu fiquei com a Prada atravessada, mas não era por ser Prada, é pk gostei msm da dita.
    Olha eu cá sou mais Nakua, Stradivarius e Berska.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. eu também não me vejo num vestido DKNY branco, ensanduichado no metro...

    não é uma mala bottega veneta que me impressiona, é a griffe interior de cada uma...

    mas tenho um fraco por consumistas...

    gajos...

    bjinhos miaus

    ResponderEliminar
  5. Muito bem "dizido" eu por acaso não ligo nenhuma as marcas,nem sou nada consumista,muito pelo contrario até acho que sou uma "matrona":)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá!
    Eu ...confesso gostar de boas malas...de marca :=(, é uma mania minha....

    Beijocas
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Engraçado ainda ontem uma colega de trabalho ficou escandalizada ( e esse é mesmo o termo) por eu dizer que se me dessem 2500€ e me dessem a escolher entre uma peça de ouro ou uma viagem eu escolhia a viagem.
    Porra, diz ela tu não és normal!!!!!

    Pois safira eu sou como tu gosto de me sentir bem com o que tenho e não mostrar o que não tenho.....até porque já vivi muito bem e perdi tudo numa estupida guerra, voltei a viver muito bem e voltei a perder tudo com uma doença......por isso o que é material é efemero.
    Eu antes quero ter amigos de "marca"....ahahahahah

    Beijokitas e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. Zabour: ó linda, está na lista só. Juntamente com a Noruega, a Finlândia, a Dinamarca, Amsterdão, Londres, Croácia, Grécia...and so on and so on
    Não, pá, foi o Ricardo. Quem mais, né?

    Rocket: não percebi bem: a griffe interior da mala ou da dona da mala? ;) Bjs

    Joana: Matrona? Não me pareceste nada matrona, estavas lindamente! ;)O importante é sentirmo-nos bem e confortáveis. O resto, que se lixe!
    Beijos

    Mjf: e eu acho lindamente!
    Beijocas

    Parisiense: Eu faria o mesmo. Ó Ceús, eu também não sou normal!!! ;)
    Deixa lá, há pessoas que gostam mais de ter objectos que memórias. Cada um com a sua, o meu diapasão afina-se mais pela emoção e o conhecimento do que pelo consumismo.
    E tu deves ser então especialmente sensível a isso. Mas sabes que há muita gente que nunca passou por situações difíceis e ainda n sabe que nada é imutável na vida.
    'Amigos de marca'...epá, isso é que vale ouro!!
    Beijo grande

    ResponderEliminar
  9. nem mais! nada como uns trapinhos rafeiros vestidos com estilo!
    e sem dúvida que há coisas muito melhores onde gastar o dinheiro! (ops! qual dinheiro?) ihihih
    beijos!

    ResponderEliminar
  10. Uso roupa de marca, mas da marca que é acessível ao meu modo de vida. Não por ter que mostrar algo aos outros, por que se posso, tenho, dentro das possibilidades, quando não dá nada como uma marca mais 'barata' para fazer o mesmo efeito.Mas como dizes e muito bem, não estou para parecer e dar a mostrar quem não sou.

    ResponderEliminar
  11. Páh, gosto de estar bem e, principalmente, de me sentir bem. Se é de marca ou não...não quero saber, confesso. Desde que me caia bem na bolsa e que tenha bons acabamentos, o resto não importa. Aliás,muitas coisas de marca são completa e absolutamente pavorosas... :S

    ResponderEliminar
  12. ganda lata!
    tanto paleio só para dizer que vais ao Perú! tss tss ;)

    ResponderEliminar
  13. Mas já usei um vestido Augustus!!! heheheh,emprestado, claro está loooooooooool

    Ná, eu sou muito mas muito: Mango, Massimo Dutti, Salsa, Lanidor, Springfield...com uns saltinhos à Berska e Violino Famoso. De vez em quando salto à...esqueci-me do nome...começa por t...ah, tintoreto! Mas nunca comprei lá nada ainda. A Benetton já me agradou mais.

    ResponderEliminar
  14. ps -já fui fanática da Levis e Pepe Jeans, até que os preços dispararam...

    ResponderEliminar
  15. Maga: Mas é que podes mesmo crer. Olha os livros que se compram com o que custa uma camisola da timberland!
    Beijocas

    Psycho: e acho que fazes lindamente.Mas eu como tenho os gatos e os cães e os transportes, nem me preocupo em investir. Epá, e é q não ligo nenhuma, embora reconheça que algumas marcas tenham qualidade superior. OUtras é só mesmo a etiqueta, e isso irrita-me.
    Além disso, tenho três gatos e um labrador para criar, não posso dar-me a esses luxos.
    bjs

    Vício: mas também queres vir, é?

    Grafonola: olha, eu é Mango, Zara, Berska, a do VIolino tb, mas menos, e depois outras que não são cadeias conhecidas, mas que têm umas coisas giras e não estupidamente caras. Uma vez ofereci a um ex uma camisola da Timberland e jurei para nunca mais. O débil mental não merecia e eu fiquei a arder com mais de 100euros, que o anormal não ma devolveu. Eu devolvi-lhe o estupido anel, era o minimo ter-me devolvido a porcaria da camisola. Podia dá-la a outra pessoa Estúpido. Não interessa, ficava-lhe mal, mesmo. Bem feita!Enfim...foi um pequeno desabafo.
    mas tenho um camiseiro Benetton há anos, e está impecável. Mas também comprei em saldos. No fundo, eu sou mesmo é uma forreta de primeira ;)
    E um casaco da Cerruti, que me custou a pele do dito, e que nunca visto porque, lá está, tem nada a ver com o resto....
    Epá, fogo, os rumores que se espalham. POdia ter escrito BOra Bora ou Burundi. Calhou ser Perú...pimba. É que já me estão a meter no avião e tudo! ;)Eu agradeço, e até aceito contribuições em espécie para a estadia!
    Beijos

    ResponderEliminar
  16. Vani: e gosto imenso da Promod. Tem montes de coisas giras, apesar de n terem grande sentido de arrumação das coisas. Tem de se procurar no meio da tralha toda. mas as minhas saias são quase todas de lá. Saias e vestidos, é o que mais compro lá.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. AH SIM!!! esqueci-me da promod!!! =))) sim, saias e vestidos!! ;-)))

    ResponderEliminar
  18. "...anda por aí muita 'peruada' Chanel que não chega aos calcanhares de uma comum mortal da Zara."

    A sério que compreendo esta tua frase e subscrevo-a também!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Adorei este post, e identifico-me muito com o que foi escrito.
    Apesar de gostar muito de moda e trapinhos (e verdadeira apreciadora de malas e sapatos) não era capaz de dar 2500 ou 4000 euros por uma mala, por mais qualidade que a dita cuja tivesse. Muito menos por qualquer peça de ouro (as poucas que tenho foram oferecidas, e para mim só têm valor sentimental).
    Respeito e aprecio as pessoas que preferem ter poucas peças, mas todas elas de muito boa qualidade, peças intemporais que duram uma vida. Mas de que é que isso me adianta se eu gosto de variar, de novidades?
    Mas não tería problemas em comprar uma imitação de Prada ou Gucci, se realmente gostasse dela.
    Peço desculpa pelo testamento, eu também sofro do guilty pleasure da Escrita :)

    ResponderEliminar
  20. Sasha Cores & Companhia26 de julho de 2008 às 17:05

    Não poderia concordar mais!! Aliás as minhas colegas de trabalho gozam comigo porque eu não sei destinguir o que é do quê!! Para mim as malas, ou sapatos, ou relógios... são todos iguais! Aliás, relógios... Swatch eu conheço, de resto...Népia! Só as minhas bijoux! Lol

    Beijinhos
    www.oh-sasha.com

    ResponderEliminar
  21. Sérgio: é que a luz interior não depende dos trapos bonitos, certo?
    Beijos e bom domingo

    Rosa Negra: e que prazer ler o teu guilty pleasure. Por mim podes deixar sempre testamentos assim. ;)
    Eu também peco (ou não, ou não) pelas variações de vestuário. Gosto de ter muitas 'coisinhas' à disposição do humor do momento...
    Beijocas

    Sasha:Também adoro os Swatch, mas confesso que prefiro aqueles modelos mais clássicos com menos corzinhas e de tamanho mais reduzido. E são 'baratos', dá para comprar vários e ir variando. E duram. Tenho um há mais de dez anos!
    Beijos

    ResponderEliminar