domingo, 6 de janeiro de 2008

Mataram o Destino Cósmico!!!


Sempre achei a lamechice uma coisa parva, quando em demasia. Não sou adepta dos constantes ‘adoro-te tanto, paixão da minha vida’, nem do beijocar permanente (muito menos quando são outras pessoas que estão nos ‘melos’, e especialmente quando isto acontece no comboio, logo às oito da manhã. Por Zeus! Alguém explique aos imberbes adolescentes que água e sabão é mais eficaz para a limpeza cutânea do que lamber sonoramente a cara toda do outro. O ‘schlep schlep’ em transportes públicos é do pior gosto! Caramba, ao menos não façam barulho!), mas sempre me considerei uma pessoa romântica (mas não na forma do romantismo lamechas. Não tenho paciência!). Gosto do amor em si, gosto dos gestos ternos, gosto das surpresas por vezes imbecis aos olhos do mundo, gosto da ideia de estar apaixonada e gosto de acreditar –embora seja cada vez mais difícil – que há mesmo um Destino que nos coloca na rota cósmica de uma pessoa e só dessa pessoa. Deve ser verdade, mas ainda estou à espera de confirmação empírica.

Por isso, fiquei sinceramente desgostosa com o livro que ando a ler


(vou inserir foto quando estiver no escritório porque a merda da connect box da Vodafone não me faz o upload das fotos em casa. Com o meu galo, é muito normal, asseguro-vos!…). (Não, afinal, se eu tirar fotos só de 1Mb, a coisa resulta)-




Este simpático senhor, conta-nos a forma ‘mágica’ como conheceu a namorada. Num avião. Viajavam ao lado um do outro. E como a reencontrou. Noutro avião. E no lugar ao lado. (pessoalmente acho um bocado forçado, mas o homem tinha de escrever o livro…). Tece rasgados elogios à magia da coisa, e depois destrói toda a ideia de destino nesta página :

em que pura e simplesmente descreve, com fórmulas e tudo, a probabilidade de este encontro se poder dar, casuisticamente, e não por obra e graça de um Poder Supremo de Atracção do Universo. Não tenho nada contra a ciência das probabilidades (só as detesto profundamente), mas parece-me de muito mau gosto reduzir encontros sentimentais a fórmulas matemáticas e acabar com a mística do amor romântico nas páginas a seguir. Especialmente porque, e dado que levei três anos a fazer a merda da cadeira de estatística, isso não deixa antever nada de bom para o meu futuro. A prova: já me fartei de andar de avião e eis o que já me calhou na rifa, sentado a meu lado:


a) uma velha doida que me deixou cair a bagagem na cabeça!


b) um gajo lindo de morrer… com o filho, e a mulher no outro banco ao lado (ainda por cima, estava a empatar porque tive a ousadia de reservar o meu lugar mais cedo. E não, não me ofereci para trocar, porque eu estava na janela e não gosto de levar com a malta toda que se levanta de cinco em cinco minutos para ir à casa de banho!)


c) um velho babão que meteu conversa comigo num voo nocturno para Milão, (quando eu ainda trabalhava numa empresa de jeito e tinha funções que me permitiam viajar e desenvolver o intelecto). Perguntou-me se eu estava a viajar sozinha (não, estou só sentada ao teu lado sem mais ninguém porque gosto de sofrer!) e onde é que eu ia ficar, e se viajava muitas vezes… Fui salva pelo colega assistente de bordo que, vendo o meu ar profundamente enojado, me foi chamar, dizendo que o comandante estava a chamar-me, e levou-me para a classe executiva. Ricardo, grande abraço! Tás cá dentro!!!!


d) Um miudinho a viajar sozinho, que chorou o caminho todo e que só falava francês, quando a assistente de bordo só falava português e inglês, logicamente. Feita estúpida, ofereci-me para traduzir e acabei a ouvir o miudo contar-me a vida toda, e dizer-me todas as prendas que recebeu nesse Natal. Para além de ter de chamar a assistente de cada vez que ele queria coca cola!

Portanto, se o Deus das Probabilidades me estiver a ouvir, aqui fica um pedido singelo: já que não colaboras para que viaje a meu lado um gajo com 1,85, tez bronzeada e olhos verdes (de preferência), bem constituido, solteiro e não gay, sem profundos distúrbios emocionais ou crises frequentes de atrasadice mental, e que não seja um filho da puta mentiroso e egoista, já que não colaboras, Deus das Probabilidades, ao menos, deixa-me viajar sem um anormal ao lado!!!!

Ah, e se me devolvessem o dinheiro do livro também não era pior!!!

18 comentários:

  1. E a viagem começa
    Sem rumo nem distância
    Serei timoneiro de alva barca
    Pelo rumo da tua lembrança

    Mar de sonhos mil
    Oceano de tanta contradição
    A ternura invade o caminho
    Que leva ao teu coração


    Bom domingo


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  2. Não me venho oferecer, até porque andar de avião não é o meu forte mas só falho nos olhos verdes :P

    Destino é a desculpa dos fracos para os azares da vida :\

    ResponderEliminar
  3. O destino somso nós mesmo que o construímos, são os caminhos do acaso que o direccionam por ese mundo fora.

    ResponderEliminar
  4. O blog está um must :-). Os meus sinceros parabens.

    ResponderEliminar
  5. Lol... está demais...:-))

    Isto, uma pessoinha, vire-se para onde se virar nunca encontra nada, é o que é..!! :-))))

    Realmente, acho que te deviam devolver o valor do livro, onde já se viu reduzir isso a uma fórmula matemática??? Já nem livros se fazem como antigamente...;-)

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Eu li o livro e gostei :)(mas vi-o como sendo o que ele pensa (para não acabar com a ideia do "made in heaven"). Também por isso achei muita graça ao teu "post" :) Espero que um destes dias encontres no comboio ao teu lado, às 8 da manhã "um gajo com 1,85, tez bronzeada e olhos verdes, bem constituido, solteiro e não gay, sem profundos distúrbios emocionais ou crises frequentes de atrasadice mental, e que não seja um filho da puta mentiroso e egoista"! :)

    ResponderEliminar
  7. http://onomequehavia.blogspot.com/8 de janeiro de 2008 às 03:27

    Num dia qualquer e sem qualquer aparente razão,
    vais olhar para o lado e a maior probabilidade é que, sem que te apercebas, quem está ao teu lado é a pessoa certa e quem sempre te apoio, teu amigo!

    Good luck, anyway, to find the right direction!

    If you do, please let me know!
    Maybe You could give me some advices...

    :D

    ResponderEliminar
  8. Reduzir a uma fórmula matemática a probabilidade de encontrarmos a nossa verdadeira cara-metade????? Mas esse sr. deve ser maluco, não????? Acho que devias ir á livraria, reclamares e exigires a devolução do dinheiro!!! Experimenta pedir o livro de reclamações... parece que ajuda.

    Existem coisas que simplesmente acontecem porque têm que acontecer. E não há nenhuma fórmula para quantificar a probabilidade de acontecerem ou não.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Estou um bocado atrasada na escrita, mas aqui vai:

    Profeta: ena, este poema é mesmo para mim?? Aposto que dizes isso a todas!!! :)
    Bem vindo!

    Fausto: podes sempre usar lentes de contacto coloridas! :)
    Eu diria antes que o Destino é aquilo a que a malta se agarra para não ter de admitir o facto de ter a sua vida nas mãos. Muito mais fácil desresponsabilizares-te dessa forma. Acho que o ideal é fazer pela vida, mas ter uma mãozinha, um bocadito de sorte, que também faz falta à vezes.

    Rui Caetano: Olá, bem vindo! Eu também acho o mesmo, vem na sequência do que disse ao Fausto.

    Eu mesma: Pois, o mercado está escasso. :)

    Redondinha: no comboio tenho sorte se encontrar um lugar!! Quanto mais morenos de 1,85! LOL!!!

    Onomequehavia: Olá! Isso acontece nos filmes, não? Mas se eu encontrar a fórmula mágica, i'll let you know!

    ResponderEliminar
  10. Carracinha: Maluco é pouco! Quem é que se lembra destas coisas??!!! E isto nem é o pior! Não é que ontem me deparei com uma página em que ele media em segundos as contracções do orgasmo da namorada? Não tou a gozar! cada contração era 0,8 segundos ou coisa assim... Surreal!

    ResponderEliminar
  11. meter coisas nos olhos sem necessidade não é para mim. Se alguma vez for preciso para ver melhor eu logo penso em meter cor ou não.

    a sorte nao aparece do nada. constroi-se ;)

    ResponderEliminar
  12. Fausto: Diz isso à malta que andava a fazer pela vida nas torres gémeas... A sorte (ou o azar) não depende de nós. Quando muito podemos apanhar uma oportunidade na altura certa, mas se não tiver de correr bem, não corre mesmo! And there's nothing you can do about it!

    Eu estava a gozar: também tenho horror a mexer nos olhinhos!!!! Quando não também já tinha posto olhos verdes há que tempos!

    ResponderEliminar
  13. "mas se não tiver de correr bem, não corre mesmo"

    mas assim estás a redenter-te ao destino...

    ResponderEliminar
  14. Fausto: Só nas coisas que estão fora do meu controlo tipo haver um cataclismo que me leve a casa; o Brad Pitt não me ter conhecido antes da Angelina Jolie, não me sair o euromilhões, essas coisas assim...Posso fazer alguma coisa? Não né?!!

    ResponderEliminar
  15. se não jogares não podes querer que saia :P

    Quanto ao Brad... tivesses feito por ir atrás dele. Há por aí um filme qualquer que retrata um caso real de um gajo que foi queria conhecer uma gaja qualquer dos anjos de charlie e conseguiu

    ResponderEliminar
  16. Tudo bem. Mas o que eu quero dizer é que não é só pelo facto de querer que me saia o euromilhões que me vai sair. Não depende do meu engenho. É isto que eu quero dizer, é que nem sempre querer é poder.
    O Brad Pitt, ok, sim, podia ir atrás. Mas só com MUITA, mas mesmo MUITA sorte é que ele trocava a Jolie pela minha humilde pessoa!!! hah aha ah. Ou isso ou o gajo bater com a cabeça no passeio, com muita, muita força!

    (para informação, eu nem sequer acho muita piada ao moço, mas pronto)

    ResponderEliminar
  17. LOOOOOOOOOOOOOL, safira, tu és um must!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  18. Ps - tb és da religião euromilhõezeira??? eu ainda não fiz a reza de hoje, será q isso me vai diminuir as hipóteses de me sair o jackpot na prox semana???????? aaaaaaaaaaah!!! bem, acredito mais na existencia do euromilhoes do que na de deus, portanto...

    E, olha, é mais fácil achar o gajo certo do que ganhar o euromilhões. ;-)

    ResponderEliminar